AMB e Amaerj apoiam juízes do Rio de Janeiro investigados pelo CNJ

Instituto dos Advogados Brasileiros também sai em defesa dos magistrados

Por O Dia

Rio - A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e a Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro (Amaerj) apoiam a defesa dos quatro juízes investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Eles respondem a Reclamação Disciplinar por se manifestarem politicamente em ato público realizado em Copacabana, em 2016, que repudiou o impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

Na quarta-feira, a assessoria de imprensa do CNJ informou ao blog equivocadamente que o pedido de providência contra os juízes  André Luiz Nicolitt, Cristiana de Faria Cordeiro, Rubens Roberto Rebello Casara e Simone Dalila Nacif Lopes havia sido feito em conjunto pela AMB e Amaerj.

Em nota, nesta quinta-feira, a AMB ressaltou que as entidades estão "em defesa dos associados processados". O plenário do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) também aprovou nota na qual a entidade  manifesta a "sua apreensão e profunda tristeza" com Reclamação Disciplinar. "No contexto atual, a decisão do CNJ está revestida de enorme gravidade", afirmou o presidente Técio Lins e Silva, na sessão plenária.