'Fortalecimento do mercado gera mais investimentos', diz presidente da Ademi-RJ

'O que é bom para as empresas não significa ser ruim para os trabalhadores', disse

Por O Dia

Rio - “O que é bom para as empresas não significa ser ruim para o trabalhador”, defende o presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-RJ), Claudio Hermolin.

Ele vai participar do seminário ‘A Reforma Trabalhista e impactos no setor imobiliário’ nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro, no Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília. Atualmente, o setor emprega aproximadamente 2,4 milhões de pessoas no país.

Claudio Hermolin%2C presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-RJ).Divulgação

Com a palavra -  Claudio Hermolin, presidente da Ademi-RJ

Qual o impacto da Reforma Trabalhista no setor imobiliário?

A mão de obra do setor vai desde o engenheiro até o servente. Com a reforma, há mais negociação e flexibilidade com relação à jornada de trabalho.

Qual foi o maior impacto?

A questão do custo das ações trabalhistas. Hoje, o trabalhador não tem ônus nenhum. Com a Reforma vai passar a ter custo e responsabilidade. Então, não haverá mais aventuras como antes o que era extremamente oneroso para as empresas.

Então, a mudança é boa para o mercado?

Temos que ter cuidado com isso. O que é bom para as empresas não significa ser ruim para os trabalhadores. O fortalecimento do mercado gera mais investimentos e consequentemente mais empregos.

Havia desequilíbrio?

Havia insegurança jurídica. O trabalhador não tinha ônus e as empresas ficavam sobrecarregadas.