Desembargador federal manda soltar ex-secretário de Sérgio Cabral

Régis Fichtner é acusado de envolvimento em corrupção

Por O Dia

Rio - O desembargador federal Paulo Espirito Santo, do Tribunal Regional Federal 2 (TRF-2)  decidiu soltar o ex-secretário da Casa Civil, Régis Fichtner. Ele deverá se apresentar em juízo a cada 60 dias e está proibido de sair do país. O pedido da defesa de Fichtner foi feita em habeas corpus. O mérito ainda será julgado pela 1ª Turma Especializada do TRF-2.
O Ministério Público Federal (MPF) vai recorrer da decisão. O ex-secretário da Casa Civil foi preso pela Polícia Federal no último dia 23 junto com outros quatro acusados de corrupção na operação batizada de C'est Fini, que em francês significa "é o fim".  

Íntegra da nota do MPF

"O Ministério Público Federal (MPF) está aguardando tomar ciência formalmente da decisão do Tribunal Regional Federal da 2a Região (TRF2) desta quarta-feira (30) de libertar o ex-secretário da Casa Civil, Régis Fichtner, para entrar com agravo para revertê-la.

O Núcleo Criminal de Combate à Corrupção (NCCC) do MPF na 2a Região tomou conhecimento pela imprensa de que o habeas corpus em nome de Fichtner foi atendido e vai contestar essa decisão na expectativa de que a 1a Turma do TRF2 siga o entendimento da 7a Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro pela necessidade da prisão preventiva decretada como parte das investigações da Operação C'Est Fini"