"Vai Malandra' é a minha grande tacada", conta Anitta

Cantora deu entrevista à coluna e falou sobre o clipe que vai ser lançado nesta segunda.

Por O Dia

A coluna assistiu ao clipe 'Vai Malandra', que será lançado nesta segunda-feira, às 11h. O clipe começa com um close gigantesco na bunda de Anitta, andando, com as celulites à mostra, e subindo na garupa de um motoboy do Vidigal. A partir daí é muita gente sexy e real se requebrando, nadando na piscina em cima de um caminhão e dançando na rua da favela à noite. No final, Anitta surge deslumbrante, sozinha, descendo o morro. A música é chiclete e vai virar o hit do verão 2018, escrevam! Anitta conversou com a coluna (ela mesma e não seu assessor!) e explicou o clipe em detalhes. 

AnittaReprodução Internet

O clipe começa com um close na sua bunda. E aparecem celulites. Por que você não pediu para tratarem no Photoshop?
Eu coloquei neste clipe, coisas que eu estou acostumada a ver desde minha infância. Tomar sol na laje, tomar banho de borracha, coisas que eu sempre tive na minha infância! Eu coloquei coisas muito reais, quis mostrar a realidade ali como ela é! E quando eu vi que a minha celulite estava aparecendo eu pensei: 'Pra que eu vou ficar me escondendo? Eu não vou ficar perdendo tempo, maquiando, fantasiando coisas... Gosto muito de ser verdadeira com meu público. E a minha vontade era causar autoestima nas mulheres mesmo. Eu queria que todas entendessem que mesmo a pessoa sendo artista, ela é uma mulher como todas vocês, mulheres! Eu não quis me esconder por trás do Photoshop por causa disso. Quero que o público veja mesmo a realidade.

Você escolheu o Vidigal, mas não aparecem imagens do mar. Só mesmo da favela. Por que não usar imagens tradicionalmente turísticas? Foi à volta à sua origem?
Na minha infância eu não tinha muito esta coisa de paisagem, de vista... Era tudo muito longe pra você ter acesso à praia. A minha vista era isso mesmo: casas, comunidade, galera, povo... Então nem todas essas comunidades tem esta vista incrível! E eu queria mostrar a beleza da comunidade, sem a ajuda de artifícios como um mar maravilhoso, do céu, da vista, e mostrar a beleza daquele povo.

Entre os figurantes está uma mulher trans binária, um andrógeno, a Jojo Todynho... Enfim: qual foi a sua intenção ao misturar todos?
Olha... Escolhi a Jojo porque ela é artista de um amigo meu, o DJ Batata, que me ajudou bastante no início. Eu liguei pra ele e falei: "cara, eu estou gravando um clipe, vem aqui com a Jojo...". A intenção é mostrar a diversidade mesmo, porque tem de tudo na comunidade. Eu acho tudo muito incrível! A galera são pessoas de lá mesmo do Vidigal! A gente não usou figurantes de outros lugares, a gente usou a galera de lá mesmo!

A batida de 'Vai Malandra' está muito próxima ao rap, mais do que o funk carioca. Estou certo?
Não! Tem uma parte que a música vira hip-hop, que é onde entra um rap em inglês do Maejor que faz parte da música. Ele é rapper e cantor também. Ele faz música com Justin Bieber. Fez algumas faixas do álbum dele.

'Vai Malandra' mostra um Rio na veia, super contemporâneo e verdadeiro. 'Vai Malandra' tem um claro objetivo internacional. Estou certo?
Não! Na verdade o 'Vai Malandra' não tem o objetivo internacional. Pelo contrário! O objetivo era finalizar mesmo, mostrando as origens. Fazendo este projeto eu mostrei muitas coisas diferentes, como línguas, outros ritmos, os ritmos mas fortes, como o reggaeton, o eletrônico, fiz um inglês lento, puxando para bossa nova, que é um ritmo mas brasileiro.

Anitta e JojoDivulgação

Mesmo antes do lançamento, você já mudou a vida de muita gente que participa do clipe. Pietro Baltazar ficou conhecido nacionalmente, Jojo Todynho também virou nacional, Goan (modelo andrógeno) foi contratada por Sergio Mattos e foi fotografada por Mario Testino. Você tem noção do que pode provocar na vida de uma pessoa?
Eu nunca tive muita noção. Agora eu estou tendo mais. Não tinha parado para pensar como eu faço uma coisa que pode mudar a vida da pessoa para sempre! Mas daí chegou uma fase na minha vida que todos passaram a me falar isso: o quanto mudou a vida, o fato de eu ter feito "x" ou "y", e ter mudado a vida desta pessoa. Para mim foi um ato super pequeno, mas para essas pessoas mudou a vida delas! E eu me sinto muito especial por isso, quando eu recebo mensagem das pessoas falando o quanto fez diferença, muda meu dia porque eu fiz de coração, sem pensar.

Qual a mensagem que você quis passar com 'Vai Malandra'?
Ah, eu quis passar uma mensagem de liberdade! De a gente reconhecer características que nós temos na nossa cultura. Eu quis mostrar uma coisa que eu estive acostumada durante toda a minha infância. Tudo que envolve beleza, criatividade e naturalidade a gente tem que sentir orgulho! O que não dá pra sentir orgulho e da falta de caráter, do roubo, da corrupção... Isso sim, são coisas para se envergonhar do nosso país!

'Vai Malandra' é o seu checkmate?
Sim! O 'Vai Malandra', pra mim, é a minha grande tacada. A tacada final mesmo! É a que eu sei que todos vão amar. Algo que volta às minhas origens... A minha raiz é o meu grande checkmate! Até porque eu vim de um lugar muito diversificado. O fato de eu ter vivido grande parte da minha vida nesta realidade faz com que eu aprenda com muito mais força, sempre lembrando de onde eu vim e como eu consegui. Então eu sempre vou ter orgulho disso. Esse é o meu checkmate!

Quanto tempo agora você vai ficar sem lançar uma música após essa sequência mensal?
Música minha vai demorar um pouquinho. Mas terão músicas de outras pessoas com participação minha.

Você tinha previsto lançar 'Vai Malandra' no meio do Vidigal, mas acabou desistindo por causa da violência. Você muda a sua vida por conta do medo da violência do Rio?
Não! Eu não tenho mudado a minha vida até porque infelizmente eu convivi com isso a minha vida inteira. No Rio, principalmente, não é uma coisa nova! É uma coisa que eu sempre vivi e acaba que infelizmente a gente vai se acostumando. Isso não é nem legal de falar, mas a gente vai sim se acostumando. O fato de a gente ter mudado o plano do lançamento é porque realmente poderia ficar perigoso para todas as pessoas. Até porque é assim: de repente acontece algo que a gente não está esperando!

Avalie a sua vida em 2017.
Foi um ano muito importante pra mim. Eu aprendi muita coisa, amadureci muito... Foi um ano de quebrar barreiras, de mostrar a minha capacidade para as pessoas! Um ano de amor também, e foi um ano que eu consegui ser feliz em todos os aspectos da minha vida! Eu estou muito realizada! Acho difícil 2018 ser um ano que vai superar. Mas a verdade é que todo ano eu falo isso (risos).

AnittaReprodução Internet