Petrópolis, cenário do filme 'Chacrinha'

Longa terá os atores Stepan Nercessian na 'pele' do Velho Guerreiro e Paola Oliveira como Elke Maravilha

Por LUIZ ALMEIDA

Stepan Nercessian, que já 'viveu' Chacrinha no teatro, também vai 'encarnar' o Velho Guerreiro (foto ao lado) no cinema
Stepan Nercessian, que já 'viveu' Chacrinha no teatro, também vai 'encarnar' o Velho Guerreiro (foto ao lado) no cinema - divulgação

Alô, alô, Terezinha! Petrópolis vai servir de cenário para o filme do Chacrinha. Vários recantos da Cidade Imperial vão ser usados como locação para longa-metragem que irá contar a história do pernambucano José Abelardo Barbosa de Medeiros filmagens em outubro. Um dos ícones da televisão brasileira do século XX, a produção sobre a vida do Velho Guerreiro se chamará 'Chacrinha O Filme'.

Com direção do cineasta Andrucha Waddington, o filme já tem dois nomes definidos no elenco. O principal deles é Stepan Nercessian, que vai 'encarnar' o Velho Guerreiro. O ator, aliás, também deu vida ao apresentador no recente espetáculo 'Chacrinha, O Musical'. Já a atriz Paola Oliveira vai interpretar a modelo e jurada Elke Maravilha, que acompanhou Chacrinha ao longo de vários anos.

"Para mim será um reencontro fazer o filme aqui, onde já gravei, em 1971, 'Pra Quem fica, tchau!'. Além de ser uma cidade que também gosto muito de visitar como turista, tenho uma relação muito amigável com Petrópolis. Então será muito bom", valoriza Nercessian.

De acordo com o produtor de 'Chacrinha O Filme', Cosimo Valério, Petrópolis foi escolhida como locação em função de vários fatores. Entre eles, por ficar próxima ao município do Rio. "Aqui tem tudo para ser uma ótima locação para qualquer produção. Além da cidade em si, com a paisagem e arquitetura, tem ainda a estrutura de apoio que fomenta a economia, com a hotelaria, restaurantes e a própria mão de obra para diversos setores", enalte ele, acrescentando que cerca de dois mil figurantes vão participar do longa-metragem.

Já o produtor executivo do filme, Fernando Zagallo, esclarece que um outro fator contribuiu bastante para a Cidade Imperial servir de cenário para o longa sobre o Velho Guerreiro. É que por se tratar de uma produção de época, não seria possível utilizar o município do Rio como locação. "Fazer aqui, com lugares inéditos e que as pessoas ainda não viram, vai ser muito bacana", adianta Zagallo. 

Ícone do rádio e da televisão

José Abelardo Barbosa de Medeiros nasceu em Surubim, interior de Pernambuco, no dia 30 de setembro de 1917. Aos 10 anos, a família se transferiu para Campina Grande, Paraíba. Aos 17, ele foi estudar em Recife, entrando para a Faculdade de Medicina em 1936, sem chegar a terminar o curso. Decidido a trabalhar no rádio, em 1940 se muda para Rio, iniciando carreira como locutor da Rádio Tupi.

Em 1943, lança o programa de marchinhas de carnaval Rei Momo na Chacrinha, na Rádio Clube Niterói. Com o sucesso, ficou conhecido como Abelardo 'Chacrinha' Barbosa. Não demorou muito e definitivamente assumiu o apelido.

A estreia na televisão foi com o programa 'Rancho Alegre', da TV Tupi, em 1956. No ano seguinte, a 'Discoteca do Chacrinha', também na TV Tupi. A 'Discoteca do Chacrinha', aliás, passou pelas emissoras Excelsior, Rio, Globo e Bandeirantes.

Em 1982, o apresentador volta à TV Globo, onde lança o 'Cassino do Chacrinha'. O programa ficou no ar até a morte do Velho Guerreiro, no dia 30 de junho, aos 70 anos, de câncer no pulmão.

Galeria de Fotos

stepan nercessian como chacrinha márcio mercante/arquivo o dia
Stepan Nercessian, que já 'viveu' Chacrinha no teatro, também vai 'encarnar' o Velho Guerreiro (foto ao lado) no cinema divulgação
chacrinha musical divulgação
chacrinha stepan 2 divulgação
chacrinha stepan 1 divulgação
chacrinha arquivo ARQUIVO O DIA
chacrinha stepan divulgação
Peça teatral Chacrinha, o Musical, que estreia no teatro João Caetano, no centro do Rio de Janeiro. Foto de Bruno de Lima Agência O Dia Bruno de Lima
Peça teatral Chacrinha, o Musical, que estreia no teatro João Caetano, no centro do Rio de Janeiro. Foto de Bruno de Lima Agência O Dia Bruno de Lima

Comentários