Veja como aplicar R$ 50 e fazer com que o dinheiro renda bem

Contas pagas, tudo em dia. Sobrou uma graninha? A orientação é investir

Por MARTHA IMENES

Chegou o começo do mês e o pagamento saiu. Esse é um dos dias mais esperados por trabalhadores, aposentados e pensionistas do INSS! Contas pagas, mercado feito, escola e plano de saúde em dia, e (ufa) sobrou uma graninha. O que fazer? A dica de economistas é: invista, mesmo que seja pouco!

Mas dá para começar investindo R$ 50? Sim, pode! Uma das aplicações mais comuns e tradicionais - a poupança - tem rendimento um pouco menor e está em 5,78%, ao ano. Quem prefere apostar um pouco mais alto deve optar pelo Tesouro Direto, que são títulos do governo federal e podem ser comprados pela internet. O rendimento dos títulos está atrelada à taxa básica de juros, a Selic, que está em 8,25%, ao ano, o que resulta em retorno de 9,68% ao ano para o investidor.

Há também quem prefira o Certificado de Depósito Bancário (CDB), cujo rendimento bruto anual está em 10,5%. "Os valores para aplicação podem variar de R$ 50, R$ 500 ou R$ 1 mil. Mas para ter bom rendimento o ideal é deixar esse dinheiro aplicado por, pelo menos, 12 meses", orienta o economista do Ibmec e da Fundação D. Cabral, Gilberto Braga. "O importante é guardar e ter sempre reserva para emergências ou aproveitar uma oportunidade de negócio vantajosa que surja", afirma Braga.

Ao aplicar no Tesouro Direto, é preciso ficar atento às taxas de administração cobradas por instituições autorizadas a negociar os títulos públicos, chamadas de agentes de custódia. Algumas delas isentam o investidor do pagamento, mas outras cobram até 2% ao ano, o que compromete os ganhos. Além da taxa, também deve considerar que essa aplicação sofre tributação de Imposto de Renda.

Já ao comprar um CDB, o investidor empresta dinheiro para a instituição financeira e é remunerado por isso. O banco repassa o dinheiro a outros clientes e, para garantir um bom lucro, paga taxa menor do que a que cobrou dos que tomaram crédito.

Comentários

Últimas de Economia