Estado e Município do Rio perderam empregos em agosto

Foram abertas 35.457 vagas no país

Por O Dia

Tanto o Estado do Rio quanto o Município do Rio andaram na contramão da abertura de empregos em agosto. Enquanto o país, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), abriu 35.457 vagas formais mês passado, o estado perdeu 3,4 mil postos e a capital teve retração de 2.691 vagas.

Conforme dados divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho, o resultado nacional decorre de 1.254.951 admissões e 1.219.494 demissões. No acumulado dos oito primeiros meses do ano, foram abertas 163.417 postos. Nos últimos 12 meses, o resultado ainda é negativo, com o fechamento de 544.658 vagas no país.

No estado, foram fechadas 78.175 vagas este ano. E nos últimos 12 meses, 175.798 empregos foram perdidos. A cidade do Rio perdeu 48.111 vagas de janeiro a agosto e 112.741 em um ano.

O resultado nacional foi puxado pelo setor de serviços, que gerou 23.299 postos formais. Em seguida, veio a indústria da transformação, com 12.873 vagas. Outros segmentos com resultado positivo foram comércio (10.721 vagas abertas), construção civil (1.017 novos empregos) e administração pública (528).

A agropecuária lidera o grupo com fechamento de postos, com 12.412 encerrados. Em seguida, estão serviços industriais de utilidade pública (-434) e indústria extrativa mineral (-135).

O salário médio de admissão com carteira assinada aumentou 11,58% acima da inflação. Em agosto, o valor alcançou R$ 1.495. No acumulado do ano, o ganho real é de 5,3%. Mas ainda é significativa a diferença em relação ao salário de demissão (R$ 1.709).

Comentários

Últimas de Economia