Tremor no México mata dezenas

Sismo foi no dia do 32º aniversário de sismo que devastou a capital. Óbitos já passam de 130

Por O Dia

Um terremoto de 7,1 graus sacudiu o México ontem à tarde, exatamente no 32º aniversário do tremor que destruiu a capital. A contagem de mortos subia rapidamente à noite e, até o fechamento desta edição, registrava 138 óbitos. O estado de Morelos é até agora o mais afetado, com 42 óbitos, aos quais se somam 26 em Puebla, sete no Estado do México, e 30 na Cidade do México.

Os trabalhos de resgate continuam em vários edifícios que desmoronaram, onde se teme que haja dezenas de pessoas presas nos escombros. Segundo a Prefeitura da Cidade do México, são pelo menos 49 os prédios que desabaram nas zonas do centro e do sul da capital.

O sismo ocorreu no dia em que se completam 32 anos do terremoto de 8,1 graus que deixou mais de 10 mil mortos em 1985 e reduziu a ruínas amplos setores da capital.

"Não é possível que tenha sido também em 19 de setembro!", disse, entre soluços, Amalia Sánchez, secretária de 45 anos.

O presidente Enrique Peña Nieto, que estava fora da Cidade do México, voltou à capital para coordenar os trabalhos de resgate.

"Estamos retornando neste momento. Veem-se imagens de desabamentos, de vários prédios colapsados! Tememos uma emergência na Cidade do México", disse o presidente pouco antes de aterrissar em um aeroporto militar da capital.

O sismo desta terça-feira ocorreu às 13h14 locais (15h14 de Brasília). O epicentro localizou-se entre os estados de Puebla e Morelos, perto da capital.

Edifícios desabam

Assim como em 1985, dezenas de civis se transformaram em socorristas improvisados para buscar sobreviventes entre os escombros, em meio a aplausos quando conseguiam tirar uma pessoa com vida.

Na zona de Roma-Condesa, popular com seus bares e restaurantes, também desabou uma escola, que esmagou ao menos dois carros. "Chegamos ao colégio, e todo mundo estava chorando, todo mundo no total desespero, e as crianças ficaram agarradas a uma corda", contou Jorge López, de 49 anos, que estava com os filhos de 6 e 3 anos.

O acúmulo de pessoas nas ruas e o corte de eletricidade, que deixou sem funcionar os sinais de trânsito, provocam um caos no tráfego do centro .

Galeria de Fotos

Moradores se juntam a socorristas para tentar resgatar pessoas nos escombros na Cidade do México AFP/Alfredo ESTRELLA
Estrada destruída pelo terremoto no México Reprodução da Internet

Comentários

Últimas de Mundo & Ciência