Desculpem, mas eu grito!

Por Ricardo Cravo Albin Presidente do Inst. Cultural Cravo Albin

'Mas você bate sempre na mesma tecla, sua ladainha da memória é um samba de uma nota só. Precisa tanto?'

"É isso mesmo, mas esta nota só não sou eu. A nota só, e desgraçadamente, é a falta de pudor com a preservação da memória. Entra ano, sai ano, a gente vê se perderem coisas, e nomes, e referências..."

Este diálogo quase absurdo ocorreu quando dava aula magna na USP. E é claro que não me constrangeu um minuto sequer. Ao contrário, exultei com a pergunta do aluno de Jornalismo, de aparência afoita e rebelde. Desfiei, de imediato, regalado e suspiroso, todo um novelo sombrio do que comprovei ao longo da direção no Museu da Imagem e do Som, em seu então mais tenro início de consolidação, a partir de 1965. Quanto mais os depoimentos para a posteridade exumavam memórias e feitos, mais pessoas me procuravam para denunciar nomes esquecidos, destruições ou maus-tratos a coleções por parte de herdeiros desrespeitosos ou até infames.

Muitos velhinhos batiam à porta do Museu para doar livros, discos, fotos, filmes, clamando uma súplica devastadora: "Vai me doer o coração ver tudo que juntei por tantos anos ir para o lixo, quando eu me for." Os gemidos, as queixas, o desamparo, a certeza da destruição, eram definidoras do nenhum cuidado com a memória. Tanto por parte do poder público quanto o muitíssimo pior a partir de herdeiros malsãos. Esta trágica comprovação nunca se sustou acreditem em um único ano de minha espichada vida pública de mais de cinco décadas. E não falo de bens materiais tão somente. Flagelam minha alma os esquecimentos de memórias imateriais: fatos históricos, culturais, ou pessoas que ajudaram a construir o país. Que puderam fazer todos nós mais felizes e orgulhos por algumas gerações. Este o caso dos artistas. Em especial os que afinaram a arte da música. Isso para citar apenas até temerária e parcialmente os nossos cantores, músicos e compositores. Este povo irradiador da beleza do som é vítima mais constante do esquecimento. Juro a vocês que a cada mês anoto os esquecidos. E, taciturno, vocifero baixinho, para mim mesmo, o quanto perde o país em decência ao jogar embaixo do tapete gente que sempre valeu e valerá a pena.

E para não dizer que não falei das flores: nestes dias próximos de outubro temos a obrigação de celebrar duas datas queridíssimas, os 80 anos de Roberto Menescal e de Joel do Bandolim. Roberto é o ícone da Bossa Nova, o movimento renovador da cultura musical deste país. Um músico que desfruta de grande fama até no Japão. Joel é puro fundamento da tradição herdada de Nazareth, Jacob do Bandolim, Pixinguinha, Radamés Gnattali. Aceito todas as sugestões e cobranças que vierem para melhor celebrar-lhes as obras, as vidas, as importâncias, ou seja, tudo o que este país desatento deve a ambos.

Galeria de Fotos

Ricardo Cravo Albin (E), colunista do DIA Divulgação

Comentários

Últimas de Opinião