Por Bruna Fantti

Enquanto a população do Rio sofre com a escalada da violência, os governos estadual e federal não se entendem. Ontem, às 19h, a Secretaria de Segurança anunciou no seu Twitter que pediu o patrulhamento das Forças Armadas em 103 pontos do Rio. O pedido foi feito um dia após o ministro da Defesa, Raul Jungmann, ter oferecido a ajuda em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, na terça-feira. "O exército vai atuar fazendo cercos de comunidades se necessário, vai fazer patrulhamento nas ruas se for necessário, fará varreduras de presídios se for solicitado", declarou o ministro.

A cúpula de segurança passou o dia ontem reunida debatendo, então, os pontos da cidade que mais necessitam de reforço no patrulhamento. O DIA apurou que no documento enviado ao governador Luiz Fernando Pezão, o secretário de Segurança solicitou o Exército nas vias expressas, como Linha Vermelha e Avenida Brasil, além da presença dos militares no entorno das comunidades com altos índices de criminalidade como Chapadão, Lagartixa e Pedreira, na Zona Norte.

Um outro item pedia o "pronto emprego de tropas em comunidades em risco de confronto", mesmo com índices não tão altos de crimes. Nesse caso, a Rocinha seria contemplada com tropas do Exército no seu entorno, por exemplo.

O ministro, mesmo antes de receber o documento, vetou a ajuda, em declaração à GloboNews. Após uma hora da negativa, ele voltou atrás e disse que irá analisar o pedido.

O coronel Roberto Itamar, porta-voz do Comando Militar do Leste (CML), afirmou que "as Forças Armadas estão prontas para o patrulhamento caso o ministro autorize".

A reunião ocorrida na Secretaria de Segurança não contou com a participação de representantes do Exército, a exemplo do que ocorreu nas outras três operações conjuntas.

No anúncio do pedido do patrulhamento, a Secretaria de Segurança relembrou indiretamente a declaração do ministro de que não faltava verbas para operações. "Após a @DefesaGovBr [Ministério da Defesa] expressar a inexistência de qualquer limitador financeiro ou operacional para emprego das Forças Armadas no RJ. A @SegurancaRJ [Secretaria de Segurança] enviou um ofício ao @GovRJ [Governo do Estado] solicitando o patrulhamento das Forças Armadas em 103 pontos da Região Metropolitana do RJ", escreveu.

Na sexta, o CML disse que esperava por verbas, por isso as operações conjuntas estavam suspensas. Jungmann, no entanto, negou a falta de recursos.

Você pode gostar
Comentários