Força criativa e econômica

Encontrarte chega em sua 16ª edição, com 17 espetáculos. Evento gera mil empregos

Por Aline Cavalcante

Atores, figurinistas, cenógrafos, produtores, costureiras e uma gigante equipe por trás das coxias para fazer o espetáculo acontecer. A 16ª edição do Encontrarte, o maior festival de teatro da Baixada, faz uma reflexão sobre a arte, não só do ponto de vista cultural, mas da relação com a economia criativa. O evento gratuito, que vai do dia 28 de setembro a 8 de outubro, em Nova Iguaçu, gera cerca de mil empregos diretos e indiretos.

"Temos professores de teatro, produtores, dramaturgos, a fonte está aqui. Nosso problema é que a iniciativa pública não fomenta e a privada não movimenta esse mercado que seria altamente rentável. Por isto, este ano estamos batendo nessa tecla. Teatro é investimento cultural e econômico", ressaltou Fábio Mateus, um dos organizadores do festival.

Apesar das dificuldades para manter o Encontrarte, o total de espetáculos será maior que no ano passado. São 17 peças, um número que faz os organizadores vibrarem. "É um desafio nos manter, poucos conseguem chegar a 16 edições de forma ininterrupta. Mantemos a qualidade e gratuidade. A ideia é formar público. Cerca de 40% de quem vai ao festival assiste a uma peça pela primeira vez", disse Claudinah Oliveira.

O público pode aguardar gargalhadas, emoção e reflexão de temas como redução da maioridade penal, violência contra a mulher e intolerância. "Além da oportunidade que se abre em um festival, é uma honra abordar temas tão em pauta e ainda na nossa casa", contou Massuel Bernardi, da companhia Okearô Teatro, de São João de Meriti.

O público estimado é de 10 mil pessoas. É preciso chegar uma hora antes para conseguir senha. A programação se divide entre o Sesc de Nova Iguaçu, a Casa de Cultura, e eventos na rua.

Comentários