COMO ESCOLHER UMA boa oficina

Atendimento, infraestrutura e equipamentos de qualidade aparecem entre os pré-requisitos essenciais na procura pelo estabelecimento certo para uma revisão

Por O Dia

A manutenção do carro é algo que obrigatoriamente deve ser feita. Em algum momento da vida útil do veículo, ele fará uma passagem por uma oficina, nem que seja para uma simples revisão. E quem dispensa a prevenção logo terá que remediar algo provavelmente mais complexo. Escolher uma oficina é uma tarefa que deve ser feita com muita atenção, para que a solução de um problema não se transforme em um aborrecimento ainda maior.

Para ajudar nesta escolha, o Cesvi Brasil lista algumas características para que o proprietário receba um trabalho de qualidade no seu veículo. Neste assunto, não dá sempre para priorizar o mais barato, porque o bom serviço, fundamental, pode não estar garantido na pechincha.

Legalidade

Uma boa oficina, no mínimo, deve ser legal. Cheque se o estabelecimento tem alvará de funcionamento da Prefeitura, atestado de vistoria do Corpo de Bombeiros e licença ambiental de operação. Todos esses documentos devem estar expostos e com fácil visualização para os clientes. Também é importante, antes de contratar um serviço, verificar as condições do CNPJ da empresa.

Atendimento

Uma boa oficina oferece um atendimento adequado ao cliente, com condições apropriadas de acomodação. Entre eles, recepção com sanitário exclusivo para clientes próximo da sala de espera, oferta de água e café, instalações apropriadas para os peritos de seguradoras.

Capacitação

Em cumprimento à lei 15.297, de 2014, que dispõe sobre as normas básicas das oficinas de reparação, o responsável pela oficina deve comprovar sua capacitação técnica por meio de certificado e treinamento técnico realizado pela empresa. Verifique se o estabelecimento possui certificações técnicas ou atestados de qualidade, que geralmente abrangem os processos e equipamentos usados.

Serviços

Certifique-se de que a oficina pretendida tem total autonomia em todos os serviços que ela está oferecendo, sem contar aqueles que são terceirizados, se é verificado o mesmo padrão de qualidade do serviço próprio. Na hora de fazer o orçamento, o ideal é o funcionário explicar tudo o que precisa ser feito no veículo quando for apresentado o orçamento, esclarecendo todas as dúvidas. Deve ser apresentado nota fiscal descriminando todo o serviço realizado no veículo, bem como as peças que foram substituídas no carro.

Garantia

Confira se a oficina tem garantia dos serviços prestados (de 30 a 90 dias).

Infraestrutura

Veja se há boa conservação do imóvel, bom estado de limpeza, boa organização, localização e acesso facilitado. O ambiente deve ser agradável, organizado e bem iluminado. Equipamentos e ferramentas devem estar em lugares específicos, assim como as peças e os demais materiais.

Equipamentos

Dependendo dos serviços prestados pela oficina (funilaria, pintura), alguns equipamentos são fundamentais. O cliente pode pedir uma explicação dos métodos e processos envolvidos no reparo do carro. Assim, será possível verificar se a empresa possui o adequado, como solda ponto, bancada de estiramento e cabine de pintura de pressão positiva (estufa), por exemplo.

Referências

É sempre bom pedir indicações de um amigo ou parente, alguém de confiança, que já tenha precisado de algum trabalho de funilaria e pintura. Porém, vale a pena buscar referências de órgãos e empresas certificadoras, como o IQA (Instituto da Qualidade Automotiva) e o próprio Cesvi Brasil.

Galeria de Fotos

Escolha a oficina com muita atenção, para que a tentativa de solucionar um problema não se transforme num aborrecimento ainda maior fotos Divulgação
Infraestrutura, equipamento adequado e capacitação técnica são fundamentais para uma oficina ser considerada boa Divulgação
Infraestrutura, equipamento adequado e capacitação técnica são fundamentais para uma oficina ser considerada boa Divulgação

Comentários

Últimas de Automania