01 de janeiro de 1970
  • WhatsApp (21) 98762-8248

LISTA DE 2017

Por O Dia

LITERATURA

O britânico de origem japonesa Kazuo Ishiguro (foto), "uma mistura de Jane Austen e Kafka com uma pitada de Proust", de acordo com a Academia Sueca, foi laureado por seus romances nos quais narra o mundo das ilusões e a memória. Ishiguro "revelou em romances de grande força emocional o abismo sob nosso senso ilusório de conexão com o mundo", afirmou a secretária Sara Danius.

MEDICINA

Foi atribuído a um trio de americanos por seus trabalhos sobre o relógio biológico do corpo, que explica a adaptação do corpo aos ciclos do dia e da noite, assim como os transtornos do sono. Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Young foram premiados por suas "descobertas sobre os mecanismos moleculares que regulam o ritmo circadiano", anunciou a Assembleia Nobel do Instituto Karolinska de Estocolmo.

FÍSICA

O Prêmio Nobel de Física foi dado a outro trio de americanos, por seus estudos que contribuíram para a detecção das ondas gravitacionais, alterações no espaço-tempo que poderiam oferecer informações valiosas sobre a origem do Universo. Um século depois de Albert Einstein enunciar os princípios destas ondas em sua teoria geral da relatividade, de 1915, os astrofísicos Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne voltaram a "sacudir o mundo", segundo o secretário-geral da Academia de Ciências, Göran Hansson.

QUÍMICA

O suíço Jacques Dubochet, o americano Joachim Frank e o britânico Richard Henderson foram anunciados como os vencedores do Prêmio Nobel de Química pela microscopia crioeletrônica, um método revolucionário de observação das moléculas em 3D."O prêmio este ano recompensa um refrescante método de produzir imagens de moléculas vivas congeladas em movimento", anunciou Göran Hansson, secretário-geral da Academia Real de Ciências.

PAZ

A Campanha Internacional para Abolir as Armas Nucleares (Ican, em inglês) venceu o Prêmio Nobel da Paz, após uma década de esforços para proibir a bomba atômica, em um contexto de tensão com Coreia do Norte e Irã. Setenta e dois anos depois de as bombas atômicas americanas caírem sobre Hiroshima e Nagasaki, o Comitê do Nobel quis ressaltar os incansáveis esforços da Ican para livrar o mundo das armas nucleares. Com isso, também enviou mensagem às potências nucleares para que iniciem "negociações sérias" destinadas a eliminar o arsenal. "Vivemos em um mundo onde o risco de que se utilizem as armas nucleares é o mais alto que já existiu", declarou a presidente do Comitê Norueguês do Nobel, Berit Reiss-Andersen.

ECONOMIA

O prêmio deverá ser anunciado amanhã.