Volta a Brasília será na quarta - Antonio Cruz/Agência Brasil
Volta a Brasília será na quartaAntonio Cruz/Agência Brasil
Por

O presidente Michel Temer está livre para concluir o mandato. Depois de uma manhã tensa e de uma inesperada internação para procedimento cirúrgico na bexiga, o peemedebista teve folgada vitória na votação que arquivou a segunda e última denúncia do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, desta vez por crime de formação de quadrilha e obstrução de justiça. Como na primeira peça, dia 2 de agosto, Temer contou com o apoio da maioria na Câmara dos Deputados. Às 20h, quando seu destino já estava delineado, o presidente teve alta e afirmou: "Estou inteiro".

Nem de perto o teto de 342 votos pela admissibilidade da denúncia foi alcançado: 251 deputados acolheram o relatório de Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) que recomendava o arquivamento do inquérito. Votaram pelo prosseguimento da denúncia 233 parlamentares houve duas abstenções, e 25 faltaram à sessão.

Com a decisão, os deputados livraram Temer de encarar, durante o mandato, processo no Supremo Tribunal Federal que, se instalado, o afastaria por até 180 dias. Agora, Temer responderá no STF somente quando sair do Planalto, em 1º de janeiro de 2019.

O placar da votação de ontem foi semelhante ao da primeira, quando 263 deputados livraram o presidente 12 a mais que o apurado ontem. Se a votação transcorreu sem sustos, a manhã na Praça dos Três Poderes foi tensa. A oposição manobrou e, por falta de quórum, conseguiu adiar o início dos trabalhos, já que não se registrava o mínimo de 342 parlamentares. Rodrigo Maia teve de encerrar uma sessão no início da tarde, e a base aliada chegou a propor uma 'votação-isca' de adiamento. Mas às 17h já havia quórum, e às 19h a votação, nominal e ao microfone, começou.

A vitória de Temer sinaliza o tamanho efetivo de sua base na Câmara e poderá interferir na composição de seu ministério e sinalizar quais projetos de lei devem ser encampados pelo governo. O presidente tenta aprovar projetos em que é necessária maioria absoluta, como a Reforma da Previdência e alterações no sistema tributário.

'Desconforto'

Na tarde de ontem, Temer, de 77 anos, foi levado para o Hospital do Exército, em Brasília, após ter um desconforto. Sentindo dificuldade em urinar, ele foi consultado no departamento médico do próprio Palácio do Planalto e encaminhado ao hospital. Temer foi internado pouco depois das 13h e teve alta às 20h.

Título corpo 16 alinhado à
Publicidade
"Suscipit risus. In urna nulla, scelerisque nec, ullamcorper eu, fringilla sit amet, magna. Fusce quam nulla, iaculis In adipiscing tortor id nibh. Nulla tincidunt cus bulum anjaoeijr poejr paoirj apoeijrpaoejr paoeijr patincidunt rhoncus bulum ante.
"Suscipit risus. In urna nulla, scelerisque nec, ullamcorper eu, fringilLoc tris. Satimum ad nonsum
Publicidade
Um caso para sondagem vesical de alívio por vídeo
Publicidade
O problema de obstrução urológica normalmente é provocado em homens com mais de 70 anos vítimas de hiperplasia prostática. Trata-se de aumento no volume da próstata. O inchaço bloqueia o canal da uretra, dificultando o esvaziamento da bexiga, impondo desconforto no paciente e até desmaios, por conta de queda de pressão.
Temer então foi submetido a uma sondagem vesical de alívio por vídeo (veja ao lado), que consiste em forçar a saída da urina por um cateter pelo pênis.
Publicidade
Você pode gostar
Comentários