Manhã de assaltos e medo

No Engenho Novo, mulher é baleada e perde carro; Tijuca fica deserta após roubo

Por O Dia

Mais violência no feriadão no Rio. Depois de uma quinta-feira que nem poupou crianças e de uma sexta com tiroteios em diversos pontos da cidade, a manhã de ontem foi de assaltos, pessoas baleadas e pânico. Uma mulher foi ferida a bala em tentativa de arrastão no Engenho Novo, e um assaltante, atingido por um tiro na Praça Varnhagen, na Tijuca, em tentativa de assalto. A área, uma das mais movimentadas do bairro e badalado ponto de lazer, ficou deserta depois do ataque. Também houve relatos de tiros na Rocinha e no Pavão-Pavãozinho.

Às 6h45, quatro bandidos tentaram fazer um arrastão na Rua Barão do Bom Retiro, no Engenho Novo. Segundo a Polícia Civil, eles abordaram um policial militar, que saiu do carro e pediu ajuda em uma cabine da PM. Houve perseguição e tiros, mas os criminosos conseguiram escapar. Francine Fernanda da Silva, de 26 anos, que estava num Duster, foi atingida por bala perdida e ainda teve o carro roubado pelos assaltantes, que fugiram. A vítima foi levada para o Hospital Federal do Andaraí. Baleada de raspão, ela aguardava alta médica. Equipes do 6º BPM (Tijuca) fizeram buscas para tentar localizar os bandidos, que não foram presos.

Três horas depois, uma tentativa de assalto e tiroteio assustaram moradores da Tijuca e quem passava pela Praça Varnhargen. Três bandidos tentaram assaltar um pedestre quando um carro passou pelo local, de onde dispararam contra os assaltantes. Um ficou ferido, o outro foi preso e um terceiro conseguiu fugir.

"Ouvi oito tiros. Um policial, à paisana, acertou um assaltante, que se jogou no canal para fugir e o policial, lá de cima, atirou nele", disse um funcionário de um bar, que não quis se identificar. "Foi tudo muito rápido, e o Samu chegou na hora e levou o baleado", contou outro atendente do estabelecimento. O caso foi registrado na 18ª DP (Praça da Bandeira).

Na Zona Sul

Uma intensa troca de tiros acordou moradores da comunidade Pavão Pavãozinho, em Copacabana. Os disparos começaram por volta das 6h. Segundo o comando da UPP local, policiais realizavam patrulhamento pela Rua Saint Roman quando criminosos armados dispararam. Não há registros sobre presos e feridos.

Também houve confronto na Rocinha. De acordo com a Polícia Militar, por volta das 9h policiais que estavam na localidade conhecida como Beco 199 foram atacados por criminosos.

Mortos em assalto a parque de diversões são enterrados

O empresário Manoel Alves, dono do parque PlayCity, em São João de Meriti, e o sargento da Polícia Militar Jorge da Silva, lotado na UPP da Mangueira, foram enterrados na manhã de ontem no Cemitério Jardim da Saudade de Sulacap. Eles foram mortos na noite de quinta-feira pouco depois de sair do parque de diversões, no que pode ter sido um assalto.

"Ele era um pai para nós. Homem direito, cuidava de todo mundo. Não deixou funcionários, deixou órfãos. Todas essas pessoas que o conheceram jamais esquecerão o legado dele", disse um amigo do empresário, que pediu para não ser identificado.

Muito emocionados, os parentes rezavam e se abraçavam. "Vi ele crescer. Eu o chamava de Jorginho. Era um trabalhador, mais uma vítima dessa violência que assola o Rio de Janeiro. Onde vamos parar?", lamenta Wagner Lourinho, amigo do policial militar.

Na quinta-feira, uma tentativa de assalto na Avenida São João, em São João de Meriti, resultou em uma troca de tiros em frente ao parque de diversões. O PM chegou a ser socorrido no Posto de Atendimento Médico de São João de Meriti, mas não resistiu aos ferimentos.

Outro parque de diversões foi palco de violência horas antes. Tiroteio no Parque PlayKids, na Praça Augusto Dumont, no bairro Juscelino, em Nova Iguaçu, feriu três pessoas.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro