PRF liberta motorista

Entre maio e setembro, queda foi de 45%. Apesar da redução, secretário de Segurança não considera os índices satisfatórios

Por WILSON AQUINO

O índice de roubos de cargas caiu cerca de 45% entre maio, quando bateu recorde com 1.239 casos (quase dois por hora) , e setembro, quando foram registrados 676 ocorrências. Foi o quarto mês seguido de queda. Na comparação entre setembro deste ano com o mesmo mês de 2016, a queda foi de 24%. No entanto, no acumulado de 2017, ainda há aumento de 33% em relação ao ano passado.

A situação era tão grave que o presidente da Federação do Transporte de Cargas do Estado do Rio de Janeiro (Fetranscarga), Eduardo Rebuzzi, ameaçou parar de abastecer o Rio, caso o roubo de cargas continuasse crescendo no estado.

Ontem, o secretário de Segurança do Estado do Rio, Roberto Sá, se reuniu com representantes do Sindicarga, Senasp, Instituto de Segurança Pública (ISP) e as polícias Civil, Militar e Rodoviária, para discutir o comportamento dos indicadores de roubo de carga. O secretário agradeceu ao governo federal pelo apoio nas operações de combate a esse tipo de crime.

"Desde maio, quando iniciamos a operação Carga Segura (em conjunto com a Polícia Rodoviária Federal e a Força Nacional de Segurança), esse indicador vem apresentando tendência de queda", lembrou Sá. As operações de repressão acontecem nas vias onde a incidência de roubos de cargas era grande, como as rodovias Presidente Dutra e Washington Luís, Avenida Brasil, Linha Vermelha e Arco Metropolitano. Apesar da melhora, o secretário ressaltou que não considera os atuais números satisfatórios.

"É uma redução expressiva, ainda num patamar indesejado por nós, mas mostra que estamos no caminho certo", disse Sá. De acordo com a Secretaria de Segurança, o 'grupo de enfrentamento' seguirá planejando operações em conjunto com as entidades que participaram da reunião.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro