Novembro Azul alerta para prevenção nos homens

Foco principal é a incidência de câncer de próstata

Por O Dia

Campanha foi iniciada em 2008 pelo Instituto Lado a Lado pela Vida
Campanha foi iniciada em 2008 pelo Instituto Lado a Lado pela Vida - Reprodução

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que o ano de 2017 registre 61.200 novos casos de câncer de próstata no Brasil. Para sensibilizar os homens quanto à necessidade da prevenção, o Novembro Azul, campanha iniciada em 2008 pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, trará uma série de ações educativas em todo o país a partir do mês que vem.

O objetivo é aumentar a frequência do exame de toque retal, o principal meio para diagnosticar a doença. Se o tumor for constatado no início, as chances de cura podem chegar a 90%, segundo José Carlos Marques, urologista do Hospital de Clínicas Mário Lioni, em Duque de Caxias.

"Isso porque o tumor tem evolução lenta. Sendo assim, o ideal é que o paciente comece a fazer o exame anualmente, aos 45 anos de idade, e, a partir dos 40 anos, se tiver histórico familiar", aponta o doutor. O câncer de próstata se desenvolve sem gerar sintomas, o que acontece apenas na fase avançada da doença, em que o homem passa a sentir dores ósseas na coluna lombar e na região da bacia, sangramento na urina e no esperma, retenção urinária, perda de peso e crescimento da próstata.

Em relação à incidência da doença, estão mais propensos a desenvolvê-la homens que tenham algum histórico da doença na família. A alimentação também pode influenciar o desenvolvimento de células cancerígenas. "Já temos a comprovação de que a ingestão de alimentos gordurosos contribui para o desenvolvimento do câncer de próstata, assim como o uso indiscriminado de anabolizantes", diz o médico.

Um dos maiores entraves é a resistência à realização do exame, que é feito a partir de um toque no ânus. Uma das iniciativas do Novembro Azul é desmistificá-lo. Segundo José Carlos Marques, o teste é feito em cerca de 30 segundos, não causa dor e não gera desconforto. Outra forma de diagnóstico é o exame de sangue para identificar níveis de PSA, uma proteína produzida pela próstata. "Células cancerígenas produzem 10 vezes mais PSA do que as sadias. Mas o exame por si só não basta. Ele deve ser combinado com o toque retal, pois os altos índices de PSA podem indicar outras enfermidades, como inflamação da próstata", explica Marques.

Comentários