Por

A advogada alega que além de ser presa, foi torturada psicologicamente e ainda teve seus pertences apreendidos ao pedir para ver o inquérito contra o cliente. A ação contra a arbitrariedade e ilegalidade foi proposta pela Comissão de Prerrogativas, da OAB-RJ.

Você pode gostar
Comentários