Empreendedorismo e inovação

História de Maria Luisa Rodenbeck, empresária que trouxe a cafeteria Starbucks para o Brasil, vira livro

Por BRUNNA CONDINI

Maria Luisa Rodenbeck
Maria Luisa Rodenbeck - Divulgação

O livro 'Maria Luisa Rodenbeck - A Empresária Que Trouxe A Starbucks Para o País do Café' (Ed. Verbo Virtual, 204 págs, R$ 59) conta, com texto de Luciana Medeiros, a história da empresária que lançou uma operação da firma norte-americana no Brasil. E que morreu num acidente na Avenida Niemeyer há dez anos.

"Eu a conheci há muitos anos, através da amizade com sua irmã, Vera Novello, atriz e produtora. Ela era uma pessoa iluminada e inesquecível", lembra a autora. "Quando se completaram cinco anos de sua morte, surgiu a ideia de um livro que contasse sua trajetória. Isso me encantou imediatamente, por ter sido essa pessoa pioneira, com uma determinação incomum. E ao mesmo tempo afetuosa e de profunda visão humana".

Maria Luisa era casada com Peter Rodenbeck, que trouxe para cá marcas como o McDonald's e o Outback Steakhouse. A história da carioca, que levou nove anos para conquistar a marca de cafeterias para o país (e faleceu pouco tempo depois da inauguração das primeiras lojas), é marcada por ousadia e persistência. Luciana conta que a biografia também é uma forma da carreira inspiradora da empresária ficar eternizada. "A ideia de contar a vida de Luisa era um desejo da família, exatamente porque havia a sensação de que muita gente que não teve e chance de conhecê-la poderia ganhar muito com seu exemplo".

REALIZADORA

O livro faz uma retrospectiva da história de Maria Luisa, com depoimentos de colegas, amigos e família. Detalha a chegada da rede, as longas negociações e as inovações no processo. Foram 170 entrevistados. Entre eles, Howard Schultz, o empresário que criou a rede mundial de cafeterias. E ele diz que a empresária se destacou por possuir um perfil singular de realizadora no mundo dos negócios, misturando eficiência e afeto em suas ações.

"Ela tinha a capacidade especial de trazer as pessoas para perto. Não é fácil encontrar mulheres com a sua coragem. Agia com tanta naturalidade e espontaneidade! E era tão verdadeira", declarou o criador da Starbucks.

Luciana salienta que alguns aspectos destacavam-se nas práticas de Maria Luisa. "Escrevendo, muitas vezes lembrei da alegria dela e do muito que ela queria fazer ainda. E é emocionante ver que sua determinação transformou vidas de muitas pessoas. Ela pensava sempre nos empregos que estava criando, por exemplo", diz, e acrescenta: "Há muitas mensagens importantes no livro. Ela foi ousada, mas sempre muito preparada. Acreditava na educação e na formação, no poder da literatura e da arte para formar os espíritos. Ouvia as pessoas, ajudava sempre, mas não era paternalista. Suas portas estavam sempre abertas".

A autora crê que Maria Luisa é uma inspiração para as mulheres no mundo do empreendedorismo. "Era uma mulher de determinação incrível, uma batalhadora pela educação. E pelo país", conclui.

Uma mulher de negócios

Maria Luisa Rodenbeck começou no mundo empresarial como secretária no McDonald's Brasil, participando da chegada da rede ao país, trazida por Peter Rodenbeck, com quem se casaria. Mas não ficou 'na sombra' do empresário. "Ela foi atrás das ferramentas para se transformar em uma mulher de negócios, enfrentando um treinamento em finanças e economia na parte prática da vida e em um puxado MBA em Harvard. E foi numa direção própria, atrás do próprio sonho", conta a biógrafa.

Galeria de Fotos

Maria Luisa e Howard Schultz, criador da Starbucks. No detalhe, o livro Divulgação
Maria Luisa Rodenbeck: a empresária, orgulhosa na inauguração de uma das lojas que trouxe para o país Divulgação
Maria Luisa Rodenbeck Divulgação

Comentários

Últimas de DMulher