Cantora italiana retorna ao Brasil e diz que unidade musical entre os dois países tem que voltar. 'Havia uma troca', diz

Por O Dia

Gigliola Cinquetti aos quase 70%3A sucesso desde a adolescênciaDivulgação

Rio - O Brasil deixou marcas em Gigliola Cinquetti. A cantora italiana, sucesso nos anos 1960 com 'Dio, Come Ti Amo' - e que retorna com a turnê 'Una Storia D'Amore' ao Theatro Municipal, neste sábado - esteve por aqui algumas vezes. Numa delas, lembra de ter se apaixonado por 'O Que Será', de Chico Buarque, que ouviu num táxi no Rio logo ao sair do aeroporto.

"Lembro que fiquei tão apaixonada que resolvi gravar a música. Gravei em português e italiano", conta ela, por telefone, do hotel em que estava hospedada em São Paulo (seu show passou também pelo Teatro Bradesco, ontem).

"Havia uma troca recíproca entre Brasil e Itália nesse período. Essa unidade entre os dois países tinha que ser retomada. Tive também muito contato com Roberto Carlos, que havia ganhado o Festival de San Remo. O Roberto me apresentou para a televisão brasileira, e conheci vários outros artistas", continua.

Por sinal, em 1969, Gigliola chegou a se apresentar na TV Record e ganhou um elogio rasgado do Rei. "Ela tem um modo especial de se apresentar em público", afirmou Roberto, numa entrevista da época, que pode ser achada nos sites de busca.

APLAUSOS

O sucesso apareceu para Gigliola - que completa 70 anos em dezembro - ainda na adolescência. O canto foi bem mais cedo, quando começou a ganhar concursos de rádio. "Meu pai acabou me levando", recorda. "Lembro que fui muito aplaudida e a partir daí... Acho que gostei de ser aplaudida", brinca. Em 1966, viria a consagração no Festival de San Remo com, justamente, 'Dio, Come Ti Amo', de Domenico Modugno. A música geraria até um filme, com ela própria no papel principal.

Em 2015, Gigliola voltou a gravar inéditas no disco '20.12' (o nome é sua data de aniversário). No show, acontecem encontros entre o novo repertório e o antigo - incluindo até uma versão de 'Lady Jane', dos Rolling Stones.

"Eu diria que quem for ao show e tiver interesse em saber como foi a transformação da Gigliola dos 16 anos até os dias de hoje, vai descobrir lá", brinca. "Vou mostrar como aquela menina que cantava 'Dio, Come Ti Amo' foi se transformando".

 

Últimas de _legado_Notícia