115º PM morto tinha troféu por apreensões de fuzil

Sargento Alessandro Galdino, assassinado em Nova Iguaçu, era querido por comandantes e colecionava prêmios na corporação

Por MARCO ANTÔNIO CANOSA

Combativo, sério, líder, profissional, destemido. Esses foram adjetivos usados por dois oficiais para definir o sargento Alessandro Galdino Marques. O praça foi o 115º PM morto este ano no Rio. Com prêmios no currículo, como a medalha de bravura e um troféu por ser o policial que mais apreendeu fuzis na sua passagem pelo batalhão do Irajá, o policial foi morto quinta à noite, quando abastecia seu carro em um posto na Via Dutra, em Nova Iguaçu.

O coronel Marcos Netto, que comandou Marques nos batalhões de São João de Meriti e de Irajá, disse que o sargento foi um dos melhores policiais com quem trabalhou. "Muito técnico, homem de ação, mas também extremamente família". Alessandro levou tiros nas costas e no abdômen. No veículo levado pelos assassinos, havia brinquedos que seriam distribuídos a crianças de instituição.

Outro que não poupou elogios ao policial foi o major Alan Luna, que, inclusive, havia convidado Marques para mudar do 41º BPM (Irajá) para o 16º BPM (Olaria), onde o sargento deveria começar a trabalhar ontem. "Era um homem de combate, muito qualificado, mas também era um defensor da vida. Era um exemplo para todos, passava tranquilidade e agia sempre dentro da legalidade", relatou o oficial.

SEGURANÇA MORTO

Um segurança foi morto a tiros durante uma tentativa de assalto, na noite de quinta-feira, na Ilha do Fundão. O suspeito pelo crime, identificado como Yuri dos Santos Pereira, foi preso em flagrante. A identidade da vítima não foi divulgada.

Um veículo roubado na área da 165ª DP (Mangaratiba) foi recuperado pelos policiais no local. O carro foi usado pelo criminosos para praticar o crime. Segundo a polícia, Yuri havia sido solto recentemente após cumprir dois anos de prisão por latrocínio roubo seguido de morte.

A Polícia Civil solicitou imagens de câmeras de segurança instaladas na região que possam ajudar a identificar os outros integrantes do bando. O caso foi registrado na 37ª DP (Ilha do Governador).

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro