Entregadores no sufoco também

Por O Dia

Wagner (dir.) dá as gorjetas pagas no cartão a Luiz
Wagner (dir.) dá as gorjetas pagas no cartão a Luiz - Divulgação

Entregadores em domicílio também amargam a queda na arrecadação de dinheirinho extra. Amílson Rodrigues Pereira, de 29 anos, trabalha na Drogaria Brasil, na Lapa, e fatura em torno de R$ 200 por mês com gorjetas ao fazer entregas em residências e empresas. Lembra que no ano passado a situação estava bem melhor. "Geralmente os idosos, que pedem mais por telefone, dão gorjetas. Os jovens dificilmente dão o agradinho. Garante meu lanche", brinca. Além da grana curta, há ainda o problema do uso dos cartões. A maioria não paga nem um centavo a mais quando o produto chega à residência. Luiz Camillo, 32, porém, comemora. Ele e mais dois entregadores entraram em acordo com o patrão, Wagner Teixeira, 38, dono da Artesanos Hamburgueria, em Vila Isabel. "Ele nos repassa as gratificações que recebemos no cartão", diz. "É justo e todos trabalham bem humorados", dá a dica Wagner.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro