Sophia Abrahão - Divulgação
Sophia AbrahãoDivulgação
Por

SOPHIA ABRAHÃO é daquelas artistas multifacetadas. Atua, apresenta, dança e canta. Neste domingo, ela vai fazer um show no Solar de Botafogo para apresentar as músicas de seu novo EP, 'Dance', que será lançado no dia 17. Em entrevista à Coluna, a apresentadora do 'Vídeo Show' relembrou o início da carreira como modelo, na China, e falou sobre o relacionamento de mais de um ano com Sergio Malheiros, com quem mora junto e pretende ter mais de um filho. Apesar disso, ela revela: não é boa dona de casa nem tem vontade de casar. Sophia falou ainda sobre questões como o racismo e disse que o namorado fez com que ela fosse mais sensível à causa. Confira a entrevista completa:

Quanto tempo você tem de 'Vídeo Show', um ano? Você continua em 2018?

Quase nove meses. Entrei para substituir o Otaviano (Costa) nas férias dele, ia cobrir 15 dias, voltei para substituir mais 15 dias do Joaquim (Lopes)... Acabou virando nove meses. Todo fim de ano o programa dá uma reformulada no formato, então se continuo é o tipo de informação que não tenho. Mas estou adorando, e é um lugar em que eu gostaria de continuar.

Você é nova, mas já trabalha há bastante tempo. O que já fez na carreira?

Comecei como modelo quando tinha 13 anos. Com 15 anos fui morar na China para modelar e fiquei cinco meses. Voltei para o Brasil e entrei em 'Malhação'. Depois fiz um programa no Multishow, teatro, e em seguida novela. Fiquei três anos no ar com 'Rebelde'. Comecei a fazer turnês pelo Brasil e foi quando eu tive meu primeiro contato com o público. Uma galera mais adolescente, mais jovem...E a partir daí, eu acabei despontando nas redes sociais. Depois voltei para a Globo atuando. Fiz a 'Dança dos Famosos', que foi uma coisa completamente nova. Terminei em segundo lugar. E agora tem o 'Vídeo Show'.

E como é assistir ao 'Dança dos Famosos' depois de ter participado?

Agora valorizo mais do que nunca. Este ano fui jurada, e sou incapaz de dar menos de dez para alguém! Eu sei qual é a luta, o sofrimento. Não entendo essas pessoas que já participaram do programa e que dão menos de dez porque é muito difícil! Só quem passou, só quem está ali no momento sabe.

Você já atuou, já modelou, já dançou, está apresentando, canta. Tem alguma coisa que você não faz?

(Risos) Muita coisa, mas sabe uma coisa que eu amaria fazer? Eu tenho uma relação íntima com a moda, como modelo. Gosto de estar por dentro deste universo, mas eu não desenho! Gostaria de fazer um book de colocar isso no papel de alguma forma. Tenho muita vontade de costurar, mas aí já é outra coisa, É bem mas difícil! (risos).

O que mais te lembra da sua carreira de modelo? E o que você levou para sua vida desta época?

É uma profissão muito difícil. As pessoas falam que é só ir lá, ficar quieta e desfilar. Digo que a dificuldade não está nem na execução, está no tratamento, no retorno financeiro, na maneira como é conduzido o trabalho. É muito injusto. É um trabalho muito maçante. Não é uma profissão muito respeitada, infelizmente! Quando mudei para o Rio para fazer 'Malhação' e começar a interpretar, senti muita diferença. As pessoas falam que em 'Malhação' você vai ser maltratada, as pessoas jogam você... Eu nunca fui maltratada dentro da Globo.

Você agora está ensaiando para o show e vai se dedicar à carreira de cantora também! Mas você pensa em voltar a atuar?

Eu amo, né? É uma faceta minha de que eu jamais abriria mão, mas estou muito feliz no lugar que estou atualmente, podendo apresentar e conciliar com a música. Acho que o ator está sempre em busca de bons papéis, mas acho que agora vou ficar só na apresentação mesmo.

E esses shows são para divulgar também este single?

Também! O meu último single foi com Boss In Drama, se chama 'Rebola'. Fiquei muito feliz e muito honrada em ter feito essa música com ele.

O que você faz quando está de folga?

Eu só durmo! (Risos) cara, eu sou uma velha, pareço ter 95 anos. E eu estou com Sérgio, e ele também parece ter 99 anos, então a gente acaba ficando em casa com as nossas cachorras. A gente ama comer fora, então a gente investe em comida (risos). A nossa vida é uma maluquice, então quando estamos em casa assistimos TV, vemos filmes...

Você é uma boa dona de casa, cozinheira? Como é que você se sai em casa?

Não!(Risos) Amo decoração, então a minha casa está sempre muito bonitinha. Mas as coisas básicas de uma dona de casa eu realmente não sei como fazer.

E o Sérgio?

O Sérgio faz bolo de cenoura. É a única coisa que ele sabe fazer, e eu acho que ele arrasa. Mas a gente é muito chato com organização. Para isso eu tenho a Sueli, que trabalha comigo há dez anos, desde quando me mudei pro Rio. Ela começou a trabalhar comigo quando eu estava em 'Malhação'. É como se ela fosse a dona da casa. Ela sabe melhor que a gente onde estão as coisas.

Vocês estão morando juntos há mais de um ano. Vocês têm essa necessidade de casamento? Porque as pessoas pressionam...

Pressionam muito! Todo mundo pergunta, mas nunca tive o desejo de casar. Eu sempre quis achar uma pessoa pra mim e acho que com o Sérgio encontrei isso. Sou filha única, então quero ter mais de um filho, mas não agora. Só que não tenho esse sonho romântico de casar, festa, essa celebração. Não faria assim! Por mim, se fosse oficializar mesmo seria uma coisa mas informal, daria uma festa para os meus amigos, alugando uma casa, mas não é um sonho.

Você é influência para muitos adolescentes, e a gente está em uma época de falar de assuntos fortes como bullying, racismo... Você fala disso nas redes sociais?

Infelizmente muitos adolescentes já esbarraram com alguma situação de bullying na escola. Sempre fui aquela pessoa de não ser muito desenvolvida, não ter corpo, bunda, peito... Eu era muito rejeitada pelos meninos. Ficava muito triste na época, mas nem brigava. Tudo é uma questão de ponto de vista. No colégio eu era magra, e os meninos me chutavam, mas quando comecei a modelar, estava no padrão imposto para aquela profissão, então é muito louco! Às vezes você não se encaixa aqui, mas se encaixa ali, então é bom lembrar que tem espaço para todo mundo. Em relação ao racismo, a gente está falando mas disso ultimamente. A gente viu esse episódio com a Titi, uma monstruosidade. Só que infelizmente este caso veio à tona porque ela é famosa, mas muitas outras crianças são atacadas, discriminadas e desprivilegiadas pela sociedade. Jamais posso falar por essa causa, não sei como é essa dor, não sei o que é ser discriminada pelo meu tom de pele, mas posso me solidarizar, posso simpatizar, acompanhar essa causa. Através do Sérgio me tornei menos ignorante. Então agora eu posso te dizer que sou uma pessoa muito mais informada.

Como você se vê daqui a cinco anos?

Me vejo com um desejo maior de ser mãe. Sempre estipulei uma idade na minha cabeça e daqui a cinco anos eu estarei com 31 anos,acho que nesta idade eu vou estar com a ideia mais aflorada. Quero também está estável na minha carreira, seja ela na atuação, na apresentação, na música, eu acho que estou na luta. Não cheguei nem na metade de onde eu quero chegar.

Você pode gostar
Comentários