Malasartes (Jesuíta Barbosa) é um caipira cheio de astúcia e manhas - Divulgação/TV Globo
Malasartes (Jesuíta Barbosa) é um caipira cheio de astúcia e manhasDivulgação/TV Globo
Por Gabriel Sobreira
Publicado 21/12/2017 14:22 | Atualizado 25/12/2017 17:15

Jesuíta Barbosa e Isis Valverde são os protagonistas de 'Malasartes e o Duelo Com a Morte', série de três episódios que estreia hoje, na Globo. A produção deriva do filme homônimo, com direção de Pedro Morelli, e conta com cenas inéditas, como o episódio no qual Pedro Malasartes (Jesuíta Barbosa) engana um homem dizendo que existe um "espírito mágico" em um saco de couro. A atriz Isis Valverde comemora a exibição do longa na TV. "Eu estou amando. Foi um filme feito com muito amor e delicadeza. Muito feliz que outros terão a oportunidade de conhecer esta história", vibra.

Na história, Malasartes (Jesuíta Barbosa) enfrenta dois grandes inimigos. O primeiro é Próspero (Milhem Cortaz), que faz de tudo para impedir que sua irmã, Áurea (Ísis Valverde), namore o malandro. O segundo é a Morte (Júlio Andrade), que quer tirar férias depois de dois mil anos e planeja enganar Malasartes para que ele assuma seu lugar. O problema é que o posto é cobiçado pela bruxa Parca Cortadeira (Vera Holtz) e pelo assistente da Morte, Esculápio (Leandro Hassum). Entre os dois mundos, Malasartes terá que usar a sua esperteza para sair ileso da confusão.

"O Pedro Malasartes é uma personagem do folclore ibero-americano. Ele se estende por toda a América e nasce uma figura que é uma espécie de sobrevivente, que precisa se alimentar, se sair, porque as coisas começam a ficar difíceis", afirma Barbosa.

Rodado na região de Jaguariúna, a 120 quilômetros de São Paulo, o filme/série cativou nos atores trouxe o caráter interiorano do seu elenco. Natural de Aiuruoca (MG), Isis Valverde confessa que a produção lhe trouxe uma memória emocional grande. "O sotaque é um lugar meio 'casa' pra mim. Muitas vezes quando a preparadora foi embora, a gente ajudava o elenco com algumas expressões, porque sou de lá e não tem como eu fugir da minha raiz. Logicamente que eu lembrei de várias situações da minha infância, casa, aquela coisa bucólica que o filme tem", afirma. O mesmo aconteceu com o colega de cena Jesuíta Barbosa. "Consegui resgatar a minha infância. Eu e todos os atores. Essa coisa de curiosidade e encantamento foram importantes para construir a personagem. Ainda que o Malasartes apareça no filme com 21 anos, ele é um menino, uma criança. Acho importante a gente deixar isso latente", reforça o intérprete.

Você pode gostar
Comentários