Memórias compartilhadas

Biografia da cantora recorda mortes do filho e de dois irmãos. "A gente não supera. Vai guardando alegrias e tristezas no coração", diz

Por O Dia

Wanderlea
Wanderlea - Caio Gallucci

Na entrevista que concedeu a este caderno em janeiro, Wanderléa estava animada com o primeiro musical que faria em 50 anos de carreira, '60! Década de Arromba - Doc. Musical'. Que inclusive volta ao cartaz a partir do dia 4 de janeiro, no Theatro Net Rio, em curta temporada. Começamos e fechamos o ano com a Ternurinha. A cantora continua cheia de vigor e entusiasmada. Mas agora o motivo é o lançamento da tão esperada autobiografia.

Foram 20 anos juntando os manuscritos que deram origem a 'Foi Assim' (Ed. Record, 392 págs., R$ 39,90). Com pesquisa e edição de Renato Vieira, Wanderléa revisita uma vida marcada por sucessos e experiências pessoais trágicas. Como o acidente do então namorado José Renato, filho do apresentador Chacrinha, que o deixou tetraplégico; a perda de dois irmãos, Bill que era seu estilista e uma espécie de assessor, por complicações relacionadas à Aids, e Leninha, vítima de bala perdida aos 17 anos.

E ela também teve uma das maiores dores que se possa sentir: a morte de um filho. Leonardo se afogou, aos 2 anos, na piscina de casa, recém-comprada com o marido Lalo Califórnia. Mas 'Léa', como é carinhosamente chamada em família e pelos amigos, é uma mulher corajosa. E esse livro mostra isso.

"Escrevi como uma terapia. Trabalhava o tempo inteiro, passei por momentos muito difíceis. Não tinha tempo de viver essas emoções inteiras. Como sempre gostei de escrever, nas horas vagas comecei a vivenciar os episódios, os sentimentos que vinham", lembra a cantora. "E fui juntando um material grande. Ouviram que eu estava escrevendo e fui convidada pra fazer o livro".

Embora tenha decidido escrever, ela confessa que se assustou com o assédio para que fizesse a biografia. "Fiquei em dúvida porque eram coisas muito pessoais. Pensava: 'A quem pode interessar isso?' Os amigos me convenceram a dividir as memórias com o público, que sempre me trouxe carinho. Era íntimo. Me desnudei", diz. E revela o motivo: "Queria mostrar que as pessoas também têm outro lado. Somos muito vulneráveis. O trabalho me ajudou muito a superar tudo que vivi".

Superar? "Na verdade, a gente não supera. Vai guardando dentro do coração, as alegrias, as dificuldades da vida. Foi tudo muito intenso, não tive tempo de viver a dor. Tinha que estar em cima do palco, feliz, fazendo meu trabalho".

AS GLÓRIAS

De um lado, tristezas. De outro, os sucessos, as histórias da música e curiosidades dos bastidores. "A editora viu meus escritos e percebeu que faltava falar das glórias. Porque tive muitas. E o Renato (Vieira) veio organizar isso, levantar a memória, as curiosidades. Juntamos os capítulos muito intensos com a carreira e deu esse resultado maravilhoso", conta.

A biografia tem o mesmo nome do sucesso eternizado na voz da cantora, 'Foi Assim' (Ronaldo Corrêa e Roberto Corrêa, 1967). Lançada há 50 anos, a canção esteve na trilha de 'Rainha da Sucata', em 1990. E o livro revela histórias como a da amizade com Roberto Carlos, de quem recebeu o primeiro beijo na boca, e com Erasmo Carlos, que tentou diversas vezes namorá-la, durante o auge da Jovem Guarda, movimento que se desdobrou em programa de TV, discos, shows e filmes.

"Algumas fãs idealizavam Roberto e Erasmo como grandes partidos. Outras os viam como figuras públicas que poderiam lhes dar status e um passaporte para a fama", escreve em trecho do livro.

AUTORAL

Aos 71 anos, ela é casada com seu produtor e guitarrista, Lalo Califórnia, desde 1981. Com ele, tem as filhas Yasmim Flores, 32, e Jade Salim, 26. Ela revela nesta entrevista que tem planos de fazer um trabalho mais autoral.

"Seria um trabalho meu e do Lalo, coisas que criamos juntos. Um sonho nosso, pessoal e profissional. Ele é um grande compositor", entrega Wanderléa, que lançou este ano um CD com canções da Sueli Costa, 'Vida de Artista'.

Prestes a se tornar avó de uma menina (sua filha Yasmim pode dar à luz a qualquer momento), a cantora mineira vive uma fase fértil por todos os lados. "Tem a chegada da neta, o livro e o musical, que volta para o Rio em janeiro. Não procuro os projetos. Eles vão chegando, e vou administrando para realizar".

MUSICAL

Celebrando a carreira e o sucesso da sua estreia nos palcos de um teatro, Léa se prepara para reestrear em solos cariocas '60! Década de Arromba - Doc. Musical'.

"Fico achando que vai terminar e o público pede mais. Estou curtindo fazer. O grupo é ótimo, são como filhos. Quando pararmos, vou sentir falta. São 60 pessoas envolvidas", diz. Mas a ausência dos colegas é passageira, já que o musical vai para São Paulo. "Temos propostas de seguir com ele na estrada. Temos convites para ir pra Dubai e para os Estados Unidos".

E sobre a experiência de escrever? "Gostei bastante do resultado. Tem passagens do livro que me emocionam ainda hoje. Os acontecimentos ficam guardados em nós, e o livro foi uma forma de liberar isto. Mas não consegui reler ainda", confessa. E o público pode querer mais? "Sim! Escreveria sobre impressões pessoais, sobre a vida. Hoje, tenho outra visão".

Galeria de Fotos

Lançamento biografia Wanderlea Sanny Soares
Wanderlea J. Egberto
Lançamento biografia Wanderlea Sanny Soares
Lançamento biografia Wanderlea Sanny Soares
Wanderlea Caio Gallucci

Comentários

Últimas de DMulher