Estado deverá acertar atrasados antes do Natal

União formaliza hoje contrato de empréstimo de R$ 2,9 bilhões em solenidade

Por O Dia

Pezão assinou contrato com banco, ontem, e teve aval da Fazenda, mas aguarda a assinatura da União
Pezão assinou contrato com banco, ontem, e teve aval da Fazenda, mas aguarda a assinatura da União - DIVULGAÇÃO

Será que agora vai? O governo federal marcou para as 16h de hoje, em uma solenidade, a assinatura que formalizará, finalmente, o empréstimo de R$ 2,9 bilhões pelo BNP Paribas ao Estado do Rio. A promessa é de que o contrato seja publicado minutos depois em edição extra do DO da União. Como parte do dinheiro (R$ 2 bilhões) entrará no caixa estadual três dias úteis após a publicação, a expectativa é de que, na próxima semana, já tenha recursos para depositar os atrasados dos servidores.

Segundo integrantes do estado, o funcionalismo passará o Natal com tudo que lhe é devido na conta, incluindo o 13º de 2016, o salário de outubro e as horas extras da Segurança.

O governo, porém, só vai bater o martelo após a assinatura ser publicada. "Quando recebermos os recursos, repassaremos imediatamente para a conta dos servidores", garantiu Pezão, dizendo ainda que em 2018 haverá estabilidade para o funcionalismo.

Semana passada, Pezão apostava que o contrato seria firmado até terça, depois, até quarta. E, ontem, ele e o banco chegaram a assinar o documento em Brasília. Mas faltava o último sinal do Ministério da Fazenda, já que a União é avalista do crédito (que terá ações da Cedae em contragarantia).

Nos bastidores, diz-se que Pezão tentou acelerar tudo ontem. Mas o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quis fechar o contrato em evento, já que o Rio é o primeiro ente da União a aderir à recuperação fiscal. A decisão, porém, é vista como capital político.

A cerimônia será no Palácio do Planalto com o presidente Michel Temer, Meirelles, o banco, além de Pezão e os secretários Gustavo Barbosa (Fazenda) e Christino Áureo (Casa Civil).

O 13º de 2016 é devido a 227 mil pessoas (R$ 1,2 bilhão), salário de outubro a 206.893 (R$576,7 milhões), novembro a 211.638 (R$619,6 milhões), e horas extras da Segurança estão acumuladas em cerca de R$40 milhões.

Comentários

Últimas de Economia