Poupador deve ficar alerta para evitar cair em golpe

Fraudadores prometem antecipar dinheiro após depósito em conta desconhecida

Por

Toffoli quer mais informações da Procuradoria da União por se tratar de questão de ampla repercussão
Toffoli quer mais informações da Procuradoria da União por se tratar de questão de ampla repercussão -

Mal foi fechado o acordo entre poupadores, bancos e Advocacia Geral da União (AGU) para recuperar as perdas com os planos econômicos das décadas de 1980 e 1990, começaram a surgir denúncias de tentativas de golpes contra clientes bancários. E o esquema é o de sempre: alguém liga para a pessoa e diz que ela tem direito a receber o dinheiro. Mas é preciso fazer um depósito na conta de um desconhecido. A orientação é ignorar o contato dos golpistas.

O advogado Walter Moura, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), afirma que que a entidade tem sido procurada por diversos poupadores que receberam telefonemas com oferta de intermediação na liberação do dinheiro.

"Muitos ligam para o Idec perguntando se tinha que fazer depósito prévio. É igual ao sequestro relâmpago", disse.

O Idec orienta poupadores a não aceitar proposta de facilitar ou antecipar a liberação do dinheiro. "Não aceite oferta de acordo de pessoa diferente do seu advogado. Se você é afiliado a alguma entidade, procure a entidade. Se tem advogado, procure-o. Assim, você não vai cair em fraude", ressalta Moura.

"Nem a AGU, nem a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), nem o Idec vai fazer ofertas por acordo. Se alguém pedir CPF, procuração, isso é fria. A pessoa de maior confiança é o advogado", acrescenta.

ATENÇÃO REDOBRADA

O poupador precisa ter atenção redobrada: para liberar o recurso, o acordo ainda terá de ser homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e não há prazo para isso. Somente após a homologação, os bancos vão dar prazo para adesão. Passada essa fase, as instituições financeiras terão 90 dias para criar plataforma virtual para que os poupadores e seus representantes legais optem pelo acordo na Justiça.

"Ou seja, o pagamento não será tão rápido. A expectativa é de que comecem a pagar somente em 2018", acrescenta o advogado Marcellus Amorim.

Comentários

Últimas de Economia