Preços de produtos da ceia de Natal variam até 385% no Rio

Pesquisa revela diferença entre supermercados e atacadista nas regiões da cidade. Saída é pesquisar

Por O Dia

Levantamento mostra que consumidor carioca precisa pesquisar
Levantamento mostra que consumidor carioca precisa pesquisar - Maíra Coelho

O consumidor do Rio que deixar de pesquisar preços em supermercados e atacadistas antes de comprar produtos da ceia de Natal vai pagar mais caro. Levantamento da Associação Proteste constatou que a variação do valor de um mesmo item pode chegar a 385% de um estabelecimento para outro nos bairros. É o caso das frutas cristalizadas, que pela pesquisa tem preço mínimo de R$ 7,20, no Méier, e máximo de R$ 34,95, no Recreio dos Bandeirantes. A média ficou em R$ 19,20.

Outro produto que também teve discrepância de preço foi a ameixa seca sem caroço. Conforme a pesquisa, os clientes compram com diferença de até 244%: o menor preço identificado foi de R$ 14,99/kg, no Recreio, e máximo de R$ 51,55/Kg, em Vila Isabel.

O bacalhau apresenta variação salgada de preços. No caso do pescado, a diferença de valor, segundo a pesquisa da Proteste, ficou em 125% entre estabelecimentos do Rio. O levantamento constatou ser possível comprar dois quilos ao invés de um e ainda ficar com um saldo de R$ 10,10, caso o consumidor opte entre os supermercados que apresentam a variação de preços.

De acordo com a Proteste, a uva-passa sem caroço também pesa no custo da ceia de Natal. A variação ficou acima de 100% em todas as regiões da cidade, que segundo o estudo, faz com que o cliente dos mercados poderiam comprar dois quilos pelo preço de um. O preço máximo encontrado foi de R$34,93, em um supermercado da Zona Norte, enquanto o mínimo foi de R$14,90, no Recreio.

Outro item que praticamente não falta na mesa natalina - o tender - teve variação de preço considerável em todas as regiões do Rio. A pesquisa encontrou o produto vendido com maior diferença chegando a 50%. Desta forma, se o consumidor optar por comprar no local mais barato economizar até R$ 2 por cada 100 gramas do produto. O valor mais em conta: no Recreio (R$ 14,90 kg).

Comentários

Últimas de Economia