BOEING: SEM CONTROLE DA EMBRAER

Por O Dia

A Boeing poderá ter que se contentar a ficar com uma fatia de 35% da Embraer. Partindo da premissa de que o governo não tem interesse de aprovar a venda da fabricante de aeronaves para sua rival, dada a ligação da companhia à segurança nacional e o desgaste político que enfrentaria ao dar aval para a transação, a companhia norte-americana terá que se satisfazer com a participação máxima permitida em estatuto, sem que a bênção do governo seja necessária.

No estatuto, no Artigo 54, diz que qualquer acionista, ou grupo, que adquira 35% ou mais do total das ações terá que submeter a transação à União, para que possa fazer oferta pública para aquisição de todos os papéis.

Comentários

Últimas de Economia