Sob o brilho da prata da casa

Garotos do Flamengo ofuscam os medalhões na luta por uma vaga na Libertadores

Por Vitor Machado

Felipe Vizeu, atacante do Flamengo, desembarca com a delegação rubro-negra no aeroporto de Salvador, Bahia
Felipe Vizeu, atacante do Flamengo, desembarca com a delegação rubro-negra no aeroporto de Salvador, Bahia - Gilvan de Souza/Flamengo

No estrelado elenco do Flamengo, o brilho da prata da casa mantém acesa a esperança por um final de ano feliz. Enquanto Guerrero aguarda o resultado do julgamento de doping, mesmo com Diego e Everton Ribeiro em campo, Felipe Vizeu, Paquetá, e, agora, César seguram o rojão. Amanhã, contra o Vitória, no Barradão, o Rubro-Negro aposta mais uma vez nas crias da casa para se garantir na Libertadores de 2018. Se a vaga não vier em Salvador, a única via restante será o título da Sul-Americana.

Felipe Vizeu balançou a rede quatro vezes nas últimas quatro partidas. Paquetá, autor do gol do Flamengo na derrota para o Santos, era o melhor do time, em Barranquilla, até o camisa 47 e o goleiro César roubarem a cena. O jogador virou uma espécie de curinga de Reinaldo Rueda já atuou como meia, centroavante e atacante pelos lados do campo.

Também formado no clube, Juan, o mais velho do elenco, com 38 anos, mantém a segurança da zaga, mesmo na ausência do capitão Réver, e ainda ajuda no ataque. Ele tem dois gols na Sul-Americana, um deles na primeira partida da semifinal contra o Junior Barranquilla, no Maracanã.

No banco, Vinicius Júnior, embora não tenha entrado na quinta-feira passada, tem sido utilizado constantemente. E contra o Santos, o menino Lincoln, de 16 anos, entrou bem.

Comentários

Últimas de Esporte