Tiffany se torna a primeira trans na Superliga

Jogadora de 33 anos assina com o Bauru para atuar profissionalmente no Brasil

Por O Dia

Tiffany chegou ao Bauru em julho, após cirurgia na mão esquerda
Tiffany chegou ao Bauru em julho, após cirurgia na mão esquerda - Reprodução/Twitter

Primeira transexual brasileira a atuar no vôlei feminino jogando na Segunda Divisão da Itália, a ponteira/oposta Tiffany vai reforçar o Vôlei Bauru (SP) na Superliga feminina 2017/2018. A atleta chegou ao time paulista em julho, após cirurgia na mão esquerda, e vinha treinando regularmente com o elenco. Ela ainda não tem data para a estreia.

"A liga feminina brasileira é uma das mais fortes do mundo e o meu nível não é diferente de nenhuma das meninas. Sei que terei muitas dificuldades contra as quais terei de lutar para ajudar a equipe", afirmou a jogadora.

Ela falou sobre a expectativa de voltar a atuar no país: "Já tinha até esquecido como era jogar aqui no Brasil com o calor e a vibração da torcida brasileira. Pude ver isso quando acompanhava o time nos jogos e sempre fui muito bem recebida, até mesmo pelos torcedores de clubes adversários."

A goiana Tiffany, de 33 anos, nasceu Rodrigo Pereira de Abreu e já havia disputado as edições masculinas da Superliga A e B no Brasil e outros campeonatos masculinos na Indonésia, Portugal, Espanha, França, Holanda e Bélgica antes de fazer a transição de gênero, concluída quando defendia um clube da Segunda Divisão belga.

No início deste ano, ela recebeu permissão da Federação Internacional de Vôlei (FIVB) para competir em ligas femininas, tendo disputado a temporada pelo Golem Palmi, da Segunda Divisão da Itália.

Comentários