Exceções no deserto de homens e ideias

Por Aristóteles Drummond Jornalista

Aristóteles Drummond, colunista do DIA
Aristóteles Drummond, colunista do DIA - Divulgação

O estadista Oswaldo Aranha, que era dono de uma razoável cultura política e foi embaixador histórico do Brasil nos EUA posição que sempre abrigou notáveis como Carlos Martins, Amaral Peixoto, Walter Moreira Salles e Roberto Campos , declarou certa vez que o Brasil "era um deserto de homens e ideias". Dentro do contexto internacional, uma correta constatação, mas com exceções, em que ele mesmo era uma delas.

Mais de meio século de jornalismo político e econômico só aqui, no DIA, no ano que vem, completo 50 anos da coluna dominical 'Falando de Política' me permite depor como testemunha e interlocutor de brasileiros exemplares. Alguns também eram pensadores de relevo, que muito nos ajudaram a ter todas as condições de um dia assumir a posição sonhada, mas ainda não alcançada.

Alguns desses homens, o destino me levou a não só conhecer, mas a colaborar, embora sempre de maneira modesta, mas com lealdade e amor ao Brasil. No setor privado, muito aprendi como bancário, trabalhando com o genial José Luiz Magalhães Lins e, depois, com o próprio dono do Banco Nacional, o correto José de Magalhães Pinto.

O primeiro foi Francisco Negrão de Lima, diplomata, político, que se revelou grande gestor público na Prefeitura do Rio, então Distrito Federal, nomeado por JK e, depois, governador eleito do Estado da Guanabara. O que seria do Rio sem o alargamento da Avenida Atlântica e dos acessos à Barra da Tijuca e a remoção das favelas do entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas? Correção acima de qualquer suspeita, é bom observar.

Depois, ingressei no setor de energia, onde fiz longa carreira, pelas mãos de um idealista e estudioso engenheiro militar, Cesar Cals, que vinha de ser governador do Ceará, com impressionante visão de futuro. Nos seis anos de governo Figueiredo, fez triplicar a produção nacional de petróleo, quadruplicar a de ouro, planejar e executar o Projeto Carajás, implementar, com o ministro Camilo Pena, o Pró-Alcool, tocar a obra de Tucuruí e de Itaipu além do programa de fontes alternativas, hoje consagradas em todo o mundo. Quem não viveu aqueles anos não sabe, não por ignorância, mas pela cortina de silêncio em torno dos grandes feitos do período militar. Figura entre os maiores na energia, que nos deu outros notáveis como Mário Bhering e John Cotrim.

Por fim, o destino me ligou de maneira fraterna, diria até filial, a um grande pensador, dono de invejável saber e patriotismo: Roberto Campos, o homem que sempre soube apontar o melhor caminho para a prosperidade do Brasil.

Continua semana que vem.

Comentários

Últimas de Opinião