PcDs MOTORIZADOS

Entre os diversos serviços da Feira Cidade PcD, os carros e equipamentos adaptados ganham destaque pela facilidade na compra

Por LUCIANA BARCELLOS

O atleta paraolímpico, Clodoaldo Silva, fez test drive em um veículo ontem
O atleta paraolímpico, Clodoaldo Silva, fez test drive em um veículo ontem - Marcio Mercante / Agencia O Dia

No segundo dia da Feira Cidade PcD, na Arena 2 do Parque Olímpico, teve até atleta paralímpico fazendo test drive em veículos adaptados. O medalhista da natação, e padrinho do evento, Clodoaldo Silva, experimentou ontem, o Nissan Kicks no stand do Grupo AB, que oferece o Programa Nissan Mobilidade para Todos, com facilidades para a compra de carro 0Km e benefícios para Pessoas com Deficiência (PcD). A feira termina hoje.

"Todo evento voltado à Pessoa com Deficiência para poder informar é fundamental, porque muitas pessoas não sabem onde tem uma cadeira de rodas, onde pode consertar, ou onde comprar determinadas coisas. Fiquei muito feliz por ter sido escolhido o padrinho porque essa feira traz essas novidades. E propicia não só inovações, mas tem de tudo: moda, esporte, balcão de emprego, tudo realizado para pessoas com deficiência", elogiou o paratleta.

Assim como Clodoaldo, o aposentado Luiz Fernando Petrone, de 76 anos, saiu de Niterói para ver as novidades do mercado para a Pessoa com Deficiência. E acabou saindo da feira com um Fire Fly, um equipamento americano que acopla na cadeira de rodas e a transforma numa cadeira motorizada com autonomia para até 30 km, carregada na eletricidade.

"Fiquei maravilhado com esse equipamento. Nunca tinha visto ao vivo, apenas em sites e achei fantástico. Vai facilitar muito a minha vida. A partir de agora, vou deixar de dar trabalho à minha mulher e à minha filha. Vou poder sair, vou poder ir ao supermercado e levar uma vida normal como todas as pessoas. Essa feira é maravilhosa. Há uma carência desse tipo de evento e há um mercado imenso aí. Fiquei muito feliz em saber que vai ter todo ano. Os organizadores estão de parabéns", elogiou o aposentado, que já saiu conduzindo o novo equipamento.

Além das inovações na área PcD, o evento também oferece stands com empresas fornecedoras de diversos produtos e serviços voltados para terapia ocupacional, fisioterapia e fonoaudiologia. Renata Cabral, mãe de Helena, de quatro anos, com deficiência motora, foi ao evento à procura de um andador para a filha e experimentou a plataforma vibratória Galileo no Espaço Habilitar.

"Não é fácil achar determinados equipamentos. Quando soube da feira, resolvi vir com os fisioterapeutas da Helena para me ajudarem a escolher um andador especial para ela. Não dá para comprar qualquer equipamento, tem que ser adequado para a idade e as especificidades que a minha filha precisa", observou Renata.

Já Iohanna Ferreira, mãe de Miguel, de 2 anos, queria mais informações sobre tratamentos e saiu satisfeita com o Espaço de Equoterapia, que utiliza cavalos como método terapêutico. A Cavalaria da PM oferece o serviço. "O Miguel tem um diagnóstico bem puxado: ele tem microcefalia e lisencefalia, e segundo a fisioterapeuta dele, a equoterapia é perfeita. Mas é muito cara. Não sabia que a PM oferecia essa oportunidade. Além disso, as cadeiras de rodas estavam pela metade do preço. Eventos como esse tem que ter sempre", atestou Iohanna.

DATA MARCADA PARA 2018

O sucesso do evento é tanto, que o subsecretário municipal da Pessoa com Deficiência, Geraldo Nogueira, anunciou ontem as datas para a Feira Cidade PCD do próximo ano: 30 de novembro, 1º e 2 de dezembro.

"Para o ano de 2018, vamos pensar numa feira com visibilidade nacional. Além de uma frequência maior, vamos atrair mais investidores de outros estados e até de fora", prometeu o subsecretário, que também testou alguns modelos de cadeiras de roda ontem.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro