Rocha Faria vai passar para empresa municipal

Mudança na gestão ocorrerá em até 45 dias. Contrato com a OS foi rompido

Por Bruna Fantti

As reclamações sobre o hospital se acumulavam há mais de um ano
As reclamações sobre o hospital se acumulavam há mais de um ano - Marcio Mercante / Agencia O Dia

Dentro de 45 dias, o Hospital Municipal Rocha Faria, em Campo Grande, será totalmente administrado pela Rio Saúde, uma empresa da Prefeitura do Rio. A informação foi divulgada ontem pelo prefeito Marcelo Crivella, que anunciou o rompimento do contrato com o Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas), Organização Social (OS) que administrava a unidade. Esse é o primeiro hospital que será administrado pela Rio Saúde, que desde 2013 era responsável por três UPAs.

De acordo com Crivella, uma Comissão de Análise Técnica reprovou por três vezes consecutivas a gestão da OS na oferta dos serviços do hospital o que acarretou a decisão. Ainda segundo o prefeito, o aumento do desemprego no estado, com menos 350 mil postos de emprego, sobrecarregou a rede pública de saúde. "O desemprego significa que muita gente ficou sem plano de saúde. Com isso, começamos a receber pacientes de municípios adjacentes também. Digo isso com pesar e com orgulho, pois é um sinal que nossos hospitais são bons", afirmou.

A rescisão unilateral do contrato foi publicada ontem no Diário Oficial. A secretaria também multou o Iabas em cerca de R$ 28 milhões.

Durante a gestão do Iabas, iniciada em agosto de 2016, pacientes começaram a denunciar condições precárias de atendimento e falta de insumos, remédios e alimentos. "Tivemos que seguir todas as etapas para na judicializar a questão, culminando nesta de hoje", afirmou o prefeito sobre a demora na rescisão.

O Iabas continuará responsável pela Coordenação de Emergência Regional que engloba o bairro de Campo Grande. Os 1.450 funcionários do Rocha Faria passarão por uma contratação simplificada da Rio Saúde. A OS afirmou que os problemas na unidade ocorreram por demora nos repasses de recursos por parte da Prefeitura do Rio.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro