Valorização do professor e mais estrutura na Educação

Por O Dia

Moradora da Rocinha e aluna do 7º ano da Escola Municipal Georg Pfisterer, no Leblon, Anna Carolina, de 11 anos, já escolheu sua profissão do futuro: veterinária. Para a filha realizar o sonho, o pai, Antonio Carlos do Nascimento, 30, estima maior atenção à educação básica. "E não apenas com estrutura e profissionais que realmente querem trabalhar, mas com investimentos que atendam às necessidades. O estudante público é formado numa base muito deficiente, por isso a maioria das vagas nas universidades estaduais e federais vai para quem estudou nas escolas particulares", diz ele.

A estudante de Letras Mainá Cardoso, 18, que participa de um projeto na Escola Municipal Estácio de Sá, na Urca, espera um ano com mais valorização aos professores e estrutura para os alunos do município. "O primeiro passo é incentivar os profissionais, que não têm boa remuneração. Os alunos recebiam material e uniforme e, de uns anos para cá, não recebem mais nada. Algumas crianças reclamaram que o caderno acabou no meio do ano e não podiam comprar", aponta.

A coordenadora geral do Sindicato dos Profissionais de Educação (Sepe), Marta Moraes, reivindica a criação de uma política pública conjunta entre município e estado visando à segurança nas escolas, afetadas diversas vezes em 2017 por confrontos em comunidades. E classifica como grave a falta de porteiros nos colégios. Abertura de concurso para todos os segmentos é outro pleito.

A Secretaria Municipal de Educação pretende levar mais arte às escolas em 2018 com o programa "A escola fertiliza a cena da cidade", projeto de teatro para toda a rede que está em fase de criação. "O projeto teatral vai oferecer oficina de dramaturgia aos alunos de nossa rede", antecipa o secretário César Benjamin. Também está nos planos oferecer a todas as crianças o projeto de música "Orquestra nas Escolas". "Queremos muita música na rede, com os alunos se apresentando juntos em todos os lugares. Assim o Rio de Janeiro não será mais uma 'cidade partida'", afirma. Existe ainda a meta de garantir a todos os alunos o domínio pleno da leitura, da escrita e do manejo dos números no final do 2º Ano do Ensino Fundamental.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro