#boato ou #golpe: todo cuidado é pouco no Zap

Aprenda a não cair em armadilhas enviadas por meio do aplicativo do celular

Por MARTHA IMENES

PERIGO WHATSAPP
PERIGO WHATSAPP - ARTE KIKO

Fraudadores têm feito do WhatsApp um meio para aplicar golpes. Nos últimos meses, mensagens oferecendo vantagens que vão desde saque de cota do FGTS a promoções em redes de fast-food e em lojas de cosméticos têm invadido o aplicativo. Especialistas alertam que os usuários devem desconfiar e não clicar nos links. As promessas são falsas e expõem as pessoas a sérios riscos.

Uma das mensagens, no mínimo, atraente diante de um universo de 12,4 milhões de desempregados, é puramente enganosa. Nela é oferecida a cotistas do FGTS a oportunidade de sacar R$1.760. Houve mais de 600 mil compartilhamentos.

Outra oferece cupons de desconto em promoções "imperdíveis". As mais conhecidas são de O Boticário e do Burger King, sem contar nas passagens aéreas gratuitas da viação Gol.

Fuja! É golpe não é boato! A dica de especialistas é uma só: não clique e não compartilhe. As mensagens podem conter um programa espião (malware) que será instalado no telefone sem que o usuário saiba e roubará dados pessoais, logins, senhas, fotos e etc.

"Desconfie sempre de ofertas de dinheiro que pode entrar no bolso de forma fácil", alerta Camillo Di Jorge, especialista de segurança da informação da Eset no Brasil. "Não clique nem mesmo abra mensagens suspeitas. Além disso, para proteger amigos e parentes, não compartilhe publicações deste tipo. Mesmo não realizando a propagação de um malware, esses ataques podem causar prejuízos financeiros às vítimas", diz.

MODUS OPERANDI

Em todas as mensagens, seja de cupom ou de anúncios, a premissa é que para receber o benefício o usuário precisa compartilhar a mensagem. Normalmente o link leva o usuário a página de cadastro. Nela são pedidos dados pessoais e outras informações.

O especialista informa que a intenção primária do golpe é redirecionar audiência a aumentar o número de cliques em páginas, o que dá dinheiro, mas é possível usar dados de vítimas para fazer cadastros em serviços pagos, o que gera receita para os cibercriminosos. Isso ocorre porque o tal site direciona a algumas páginas de downloads de outros aplicativos. E é justamente nele que o programa espião está escondido. Depois de instalado, ele "faz a limpa".

Há outros casos em que o site pede para o usuário preencher o número do celular. Uma vez informado, é registrado em serviços que descontam valores semanais (como R$ 3,99, R$4,99) do plano. O que acaba com os créditos.

Para evitar armadilhas, Roney Belhassof, especialista em cibercultura, orienta que antes de clicar ou compartilhar, busque fontes conhecidas e confiáveis sobre o que recebe. "Infelizmente é tarefa bem difícil já que a internet é uma nuvem... Aliás, neblina densa", diz.

Atenção ao instalar aplicativos pode evitar a entrada de malware é o que recomenda Marcio Beck, jornalista e editor de conteúdo web. "Sempre que baixar, verifique se as permissões (acesso a contatos, localização) são compatíveis com a função do aplicativo", orienta. "Caso se arrependa, as permissões podem ser gerenciadas na função "Aplicativos" nas configurações", diz.

Comentários

Últimas de Economia