Aposentados do INSS terão reajuste de 2,07%

Percentual para quem ganha acima do salário mínimo é o mais baixo desde 1994

Por MARTHA IMENES

Aposentados participaram da missa nos Capuchinhos na última sexta: em busca de ajuda divina
Aposentados participaram da missa nos Capuchinhos na última sexta: em busca de ajuda divina - DIVULGAÇÃO/FAAPERJ

Reajustes pequenos dos benefícios do INSS, adiantados pelo DIA em 2 de janeiro, acabaram confirmados: aposentados e pensionistas que recebem acima do salário mínimo terão correção de 2,07% e os que ganham o piso apenas 1,81%. São as menores taxas desde a implantação do Plano real, em 1994. O percentual para quem recebe mais do que o mínimo leva em conta o INPC, divulgado ontem pelo IBGE. Mas os aposentados amargam perdas maiores se for considerada a inflação dos idosos, divulgada pela FGV, que ficou em 3,8% no ano passado.

Este é o segundo ano seguido que o reajuste das aposentadorias de quem ganha acima de um salário mínimo será superior ao aumento do piso nacional, que subiu 1,81%, passando de R$ 937 para R$ 954 no dia 1º de janeiro. Éo menor aumento em 24 anos. No ano passado, o reajuste para aposentados que recebem benefícios com valor acima de um mínimo foi de 6,58%, referente à variação do INPC de 2016.

"Este é o pior momento dos aposentados", lamenta Yedda Gaspar, presidente da Federação dos Aposentados do Estado do Rio (Faaperj). Para ela "nem reza forte" dá jeito na situação da categoria. Mas diz não perder a fé. Na última sexta-feira vários aposentados do estado participaram da tradicional missa dos Capuchinhos na Tijuca e nos dias 26, 27 e 28 de janeiro farão caravana à Aparecida do Norte.

TETO PREVIDENCIÁRIO

Outros valores também serão reajustados: o teto previdenciário passará de R$5.531,31 para R$ 5.645,80. E as alíquotas dos trabalhadores empregados, domésticos e avulsos passarão a ser de 8% para aqueles que ganham até R$ 1.693,72, de 9% entre R$1.693,73 e R$ 2.822,90 e de 11% entre R$ 2.822,91 e R$5.645,80. A portaria do Ministério da Fazenda com todos os valores será publicada hoje.

Comentários

Últimas de Economia