Congelamento de óvulos é uma das opções para mulheres que pretendem adiar o sonho de ser mãe - Reprodução de Internet
Congelamento de óvulos é uma das opções para mulheres que pretendem adiar o sonho de ser mãeReprodução de Internet
Por RENAN SCHUINDT

Cada vez mais as mulheres brasileiras estão engravidando mais tarde. A conclusão consta de um levantamento recente do iDados, com números do IBGE e do Datasus, que aponta um crescimento de 28% no número de mulheres que tiveram filhos com mais de 40 anos no país, entre 2000 e 2015. O avanço da medicina reprodutiva e o foco no sucesso profissional são alguns dos fatores que podem explicar o comportamento.

"Como a gravidez se torna mais difícil a partir dos 35 anos, é comum que as mulheres recorram às clínicas de reprodução quando pretendem engravidar mais tarde", comenta o especialista em reprodução humana, Marcio Coslovsky.

Segundo o médico, ao nascer, a mulher possui cerca de um a dois milhões de óvulos, e deixa de produzi-los durante toda a vida. Com o passar do tempo, o número de óvulos vai diminuindo progressivamente. "Quando a mulher chega aos 37 anos, o número de óvulos cai para 25 mil e, aos 51, cai para apenas mil. Até os 32 anos, a mulher tem cerca de 50% a 60% de chances de engravidar. Já aos 37, as chances caem para algo em torno dos 30%. Aos 40 anos, cai para 15% e, com 43, restam apenas 5%", enumera o especialista.

MÉTODOS DE GRAVIDEZ

Hoje, as mulheres têm opções como congelamento de óvulos, inseminação artificial e fertilização 'in vitro' para engravidar. E ainda a opção de recorrer a um banco óvulos. Na inseminação, a paciente tem uma indução menor de hormônios, para que ela produza entre dois e três óvulos. Nesse método, o sêmen é injetado dentro do útero da paciente depois de preparado. Já na fertilização 'in vitro', a carga de hormônios a que a paciente é submetida é maior, para que sejam aspirados de 8 a 15 óvulos, que depois serão fertilizados em laboratório. A inseminação é um método mais barato, mas suscetível ao erro. No entanto, depende do bom funcionamento da trompa.

Você pode gostar
Comentários