Por marlos.mendes

As passagens pela Polícia Militar, Secretaria de Administração Penitenciária e Ministério Público credenciaram o procurador de Justiça, agora aposentado, Astério Pereira dos Santos a assumir a Secretaria Nacional de Justiça e Cidadania, do Ministério da Justiça. Convênios, troca de informações e dar ainda mais apoio às operações relacionadas à Lava Jato estão na pauta.

Quais as suas principais propostas?

É importante diferenciar imigrante de refugiado. Queremos mais formação para essas pessoas, sobretudo os imigrantes, como curso de português e treinamentos, com entidades, como Firjan e Senac.

Há interesse do Ministério Público em dados georreferenciados do Ministério da Justiça.

O Ministério Público já foi ajudado com o Laboratório Tecnológico de Lavagem de Dinheiro. A notícia da minha nomeação foi dada pelo procurador-geral Eduardo Gussem. As demandas serão atendidas, desde que estejam de acordo com os requisitos técnicos.

Há muita resistência à Lava Jato. Embaixo do seu ‘chapéu’ tem a recuperação de ativos. Quais as metas?

Há resistência de uma minoria. As operações têm se sustentado com apoio da sociedade. A orientação que recebi do ministro Osmar Serraglio é no sentido de fortalecer ainda mais o Departamento de Recuperação de Ativos.

PUBLICADO EM 28.03.2017 - 12:46

Você pode gostar