De Jeep Renegade novo na estrada

Com o novo motor 1.8 E-Tork aprimorado, o SUV melhorou muito suas questionadas marcas de consumo e desempenho

Por O Dia

Rio - O Renegade não mudou nada: quem olha este Sport 1.8 2017 nas ruas não vê nada por fora mesmo. Nem é pra ver. Mas o carrinho que pusemos na estrada por 1.404 quilômetros ganhou um motor 1.8 E-Tork aprimorado que melhorou muito suas questionadas marcas de consumo e desempenho, além de ser o mais barato da linha, custando R$ 73 mil.

Afinal, um carro com 1,4 ton com motor leve de até 139 cv, quando usa etanol, não tem o que se pode chamar de boa relação peso-potência, mas os acertos de engenharia deram bom resultado nesta versão manual de cinco marchas que despeja agora mais 7 cv de potência e torque melhorado.

Com novo coletor de admissão, partida a frio sem tanquinho, sistema start&stop que desliga o motor nos sinais fechados, indicador de troca de marchas, alternador que só demanda potência quando a bateria ‘pede’, pneus de baixa resistência ao rolamento, óleo mais fino, entre outras novidades. O carro ganhou rendimento com economia. Nossa média em uso urbano, rodoviário e vicinais foi de 8,4 quilômetros por litro. Nada mal, considerando-se todos os considerandos.

Nova versão não recebeu nenhuma alteração no faceliftMarcellus Leitão / Agência O Dia

Quem compra este Renegade de entrada tem que ter isso em mente. Gasta menos por um carro muito robusto, daí a 1,4 tonelada, mas leva para casa também um acabamento de primeira, nível de ruído e conforto excelentes e um dos melhores valores de revenda do mercado. O freio de mão por acionamento eletrônico no console é item presente só em modelos bem mais caros.

O carro é bonito, agradável de dirigir com o câmbio justo e preciso e te leva a quase todos os lugares. Claro que a tração dianteira é um limitador, mas o controle de tração que distribui torque de modo mais eficiente no trem frontal ajuda algumas situações de baixa aderência, mas vale não exagerar. Se for encarar algo mais sério, pegue emprestado o avô dele, CJ3 1951 aí da foto. Ele roda com tudo funcionando até hoje e ainda garante subir paredes, se necessário.

MUSTANG AO VENTO

As primeiras imagens não negam o que se esperava. O novo Mustang conversível chega no rastro do cupê com linhas que remetem ao pony car original que teve sucesso estrondoso no mundo a partir de abril de 1964.

A nova versão encarna o design e a disposição originais e acrescenta novidades nos motores, câmbios, suspensão e tecnologias eletrônicas, com destaque para um novo painel de instrumentos digital personalizável.

Ford divulgou primeiras imagens da nova versão do 'muscle car'Divulgação

Sob o capô, opções de um motor de 4 cilindros 2.3 EcoBoost e o V8 5. Melhorados e acoplados à nova transmissão automática de 10 marchas, item opcional. O ronco do motor do GT pode ser ‘regulado’ pelo gosto do freguês e, na suspensão, amortecedores magnéticos MagneRide.

A carroceria do novo Mustang tem algumas modificações na grade maior e traseira, que abriga a capota. O uso de LEDS é ostensivo e a marca oferece ainda 12 opções de rodas.

Últimas de Automania