Produzido em Sumaré, nova geração do Honda Civic custa até R$ 125 mil

Preço salgado chama a atenção: parte de R$ 87,9 mil e atinge R$ 124,9 mil distribuídos em quatro versões e dois motores

Por O Dia

Rio - A nova e décima geração do Honda Civic está marcada pelo design. Basta olhar o carro para ver suas linhas inovadoras e esportivas, se considerarmos o seu segmento. O preço salgado também chama a atenção: parte de R$ 87.900 e atinge R$ 124.900, distribuídos em quatro versões e dois motores.

No meio dessa faixa, está a opção EXL, avaliada pelo Automania, equipada com o antigo motor 2.0 flex de 155 cv e 19,5 kgfm de torque (etanol) e transmissão CVT com borboletas no volante. É um carro nacional, produzido em Sumaré (SP) e custa R$ 105.900. 

Produzido na fábrica de Sumaré%2C em São Paulo%2C nova geração do Honda Civic custa até R%24 125 milDivulgação

O Civic EXL está abaixo da topo Touring (que também será testada pelo caderno). Compõe sua ficha técnica equipamentos como LEDs diurnos, lanternas traseiras em LED, direção elétrica, seis airbags, freio de estacionamento eletrônico, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em ladeira, retrovisores retráteis, bancos de couro, ar-condicionado automático de duas zonas, controle de cruzeiro, entre outros.

Central Multimídia

A central multimídia de sete polegadas tem inclusos navegação e câmera de ré, Bluetooth, HDMI, Wi-fi, duas entradas USB, além dos sistemas Android Auto e Apple CarPlay. O ponto negativo fica para o acesso ao carro e partida do motor, feito por chave canivete, incompatível para o preço do modelo. O recurso de chave presencial e partida por botão só está presente na opção de topo de linha. 

O ‘sedã’ tem plataforma nova, fixada sobre rodas de 17 polegadas de liga leve, com suspensão dianteira MacPherson e traseira multilink, ambas com barras estabilizadoras. Rigidez torcional foi ampliada em 25%, enquanto o peso da carroceria está 22 quilos mais leve, quando comparado com a geração anterior.

Mede 4,63m de comprimento, 1,79 m de largura, 1,41 m de altura (bem baixo) e 2,70 m de entre-eixos. O porta-malas, com acionamento interno, comporta 525 litros. Seguindo com números, dados de consumo registrados no programa do Inmetro marcam, com etanol, 7,2 km/l na cidade e 8,9 na estrada. Com gasolina, as marcas saltam para 10,6 e 12,9 km/l, respectivamente. Sua nota é A na categoria e B no geral.

Nova geração do Civic apresenta novidades tecnológicas%2C como central multimídia com navegação%2C câmera de ré%2C Bluetooth%2C HDMI%2C Wi-fi%2C Android Auto e Apple CarPlayDivulgação

No interior, temos beleza e aconchego. O espaço interno é amplo. O acabamento é feito por materiais de qualidade. A visualização dos instrumentos no painel digital com tela TFT é agradável e o console largo e alto é muito funcional. São muitas as boas percepções ao se ambientar com o carro. Ele está em um novo patamar de sofisticação. Volante tem ótima empunhadura e a acomodação nos assentos também é confortável.

Aceleração, estabilidade e desempenho nas curvas

Bom de andar, muito bom mesmo. O Civic EXL, ainda que com o velho 2.0, mostra vigor em acelerações e retomadas, além de ótima estabilidade e desempenho em curvas, tarefas feitas com direção sob total controle.

O câmbio CVT agrega o melhor do conforto na progressão do veículo, mas não entrega sensação de esportividade nas trocas pelas borboletas. Aparentemente, esse não é o propósito. Mesmo com suas dimensões ampliadas, não causa desconforto em manobras, dada a leveza da direção e suporte da câmera de ré com três ângulos de observação.

Ainda que haja tantas boas sensações ao experimentar o carro, observações mais atentas encontram margem para melhora e abrem comparações com concorrentes de outros segmentos. Explicando: o sistema de suspensão, baixa altura e entre-eixos casa bem com um piso perfeito, o que não é o caso das nossas vias.

Daí, dá para pensar vagamente em um SUV, carroceria querida do momento e de preço semelhante, que cumpre essa tarefa ainda melhor. O sedã, por sua vez, entrega mais prazer de dirgir. É bem mais emocionante fazendo curvas. Outro ponto de atenção neste novo Civic, aí este independe de condição de estrada, é o isolamento acústico, que não está a altura de um carro de R$ 106 mil.

O consumo de combustível, indicador chave para o consumidor brasileiro, é equilibrado para um veículo dessas dimensões, com motor de aspiração natural. Como observado nas avaliações do Inmetro, o Civic com gasolina roda na casa dos 10 km/l no ambiente urbano. Há botão Econ, que torna a condução ainda mais econômica.

Concluindo, o novo Civic é um carro muito bem equilibrado para o mercado, concorrente habilitado para abocanhar um pouco das vendas do líder isolado do segmento, o Toyota Corolla, que vendeu praticamente o dobro em janeiro passado. É um modelo com credibilidade, porém com preço desproporcional

Últimas de Automania