Os modelos compactos mais ‘beberrões’

Lista foi feita com base em dados do Inmetro e destaca consumo de veículos produzidos em série

Por O Dia

Rio - Cada vez mais, a eficiência energética entra na ordem do dia dos departamentos de engenharia das fabricantes. Não é à toa que estão surgindo nas lojas modelos equipados com motor de três cilindros, injeção direta de combustível, sobrealimentação, pneus de baixo atrito, entre outros componentes que visam um menor consumo. Isso, claro, sem prejudicar o desempenho.

o Renault Logan 1.6 (automatizado) faz 6,2 km/l na cidade e 8,9 km/l na estrada com etanol no tanque. Os números passam para 9,6 km/l e 12,8 km/l, respectivamente, com gasolinaDivulgação

Apesar disso, alguns carros vendidos no país gastam mais combustível do que o ideal. Tendo por base números divulgados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), elencamos os cinco compactos que não fazem muita cerimônia em consumir gasolina ou etanol.

MUDANÇAS SEM SUCESSO

Conforme testes, o Renault Logan 1.6 (automatizado) faz 6,2 km/l na cidade e 8,9 km/l na estrada com etanol no tanque. Os números passam para 9,6 km/l e 12,8 km/l, respectivamente, com gasolina. O sedã da marca francesa passou por uma série de adaptações, há quatro anos, mas não se tornou mais econômico. O motor passou a ter uma taxa de compressão maior (12:1), pistões foram redesenhados com grafite nas laterais, para gerar menos atrito, e as bielas ficaram mais leves e passaram a ser fraturadas – recurso que livra peso e melhora o ajuste das peças.

Pelo visto, a montadora chinesa Chery também não ligou muito para a questão da eficiência na fabricação do Celer 1.5 flex. Feito no Brasil, o carro roda apenas 6,3 km/l na cidade e 7,8 km/l na estrada, com etanol. Já com gasolina, passa a consumir 9,2 km/l em trechos urbanos e 11,4 km/l nos rodoviários. Com a fábrica em Jacareí, no interior, paralisada, a marca chinesa está sem fôlego para adotar alterações para melhorar o consumo do modelo.

Outro compacto de marca chinesa beberrão é o J3, da JAC Motors. O veículo consome 1 litro de etanol a cada 6,5 km na cidade e 8,4 km na estrada. Com gasolina, os números passam para 9,7 km/l e 12,5 km/l, respectivamente.

Parece que o modelo chinês não se entendeu muito bem com o etanol brasileiro, já que somente o consumo de gasolina fica na média dos principais rivais. Ainda segundo o instituto federal, com etanol no tanque, o Fiat Punto BlackMotion 1.8 faz apenas 6,7 km/l em trechos urbanos e 8,4 km/l nos rodoviários. Com gasolina, o carro passa a fazer 9,9 km/l e 12 km/l. Já no fim de seu ciclo de vida, o hatch compacto com apelo esportivo da Fiat ainda está longe de ser um dos modelos mais eficientes do mercado. Seu substituto já está em fase de testes e deve ser apresentado até o final de 2017.

O Hyundai HB20 1.6 flex anda bem. Por outro lado, o alto consumo é proporcional ao desempenho. Números do Inmetro mostram que o carro faz 7,1 km/l na cidade e 9,4 km/l na estrada com etanol. Na troca por gasolina, os números melhoram: 9,9 km/l e 12,5 km/l, respectivamente.

Desde que o hatch compacto apareceu no mercado, no final de 2012, a marca coreana não adotou nenhuma mudança no 1.6 flex, que tem desempenho parecido com o mais atual 1.0 turbo.

Últimas de Automania