Por douglas.nunes

A operação de policiamento no Maracanã vai contar com 3,5 mil policiais militares, tanto na área interna do estádio - em apoio aos seguranças privados (stewards) contratados pela Federação Internacional de Futebol (Fifa), como no entorno e nos principais acessos. O esquema começou a funcionar às 7h de hoje (25) e vai ser mantido até as 21h, duas horas após o fim do jogo entre Equador e França, pelo grupo E.

O chefe de policiamento do estádio, coronel Marcelo Rocha, informou à Agência Brasil, que o efetivo inclui 50 cadetes da Academia D. João VI, que estão orientando os postos de controle de acesso de pessoas, além de 600 alunos do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap) da Polícia Militar. O esquema de segurança e o efetivo policial são os mesmos adotados no jogo de domingo passado (22), após a invasão de 85 chilenos ao Centro de Mídia do Maracanã antes da partida entre Espanha e Chile, na quarta-feira (18). “Nós acreditamos que o ajuste feito para o jogo passado deu certo e estamos replicando ele. O fato ocorrido no dia 18 nós tomamos providências, não só os órgãos de Segurança Pública, como o COL/Fifa [comitê local], que têm como objetivo aumentar o nível de segurança no entorno do estádio”, explicou.

Para o coronel, na medida em que há um controle maior no acesso de pessoas ao perímetro imediato do estádio, é possível evitar a entrada de quem esteja sem ingressos. O chefe do policiamento negou que o esquema tenha entrado em funcionamento antes das 10h, como chegou a ser apontado por moradores de ruas próximas. “Muito embora a gente já esteja no local desde 7h, os bloqueios só começaram a partir de 10h, com o fechamento de vias. A partir desse horário a gente começou a controlar o acesso. Antes de 10h a gente não realizou bloqueio”, esclareceu.

Segundo o coronel, o morador tem passagem garantida com a apresentação de um comprovante de residência. “Todas as tropas têm um oficial no comando e eles estão orientados a ver caso a caso. Se o morador apresentar o comprovante, logicamente, o acesso será franqueado”, completou.

Na avaliação do presidente da Rio Eventos, Leonardo Maciel, que acompanhou o início do funcionamento do Plano Operacional no entorno do Maracanã, havia um número grande de equatorianos chegando ao local, mas ainda era inferior à presença de chilenos no dia 18. Ele disse que o planejamento foi implantado para evitar a invasão que ocorreu no jogo do Chile contra a Espanha. “A Prefeitura ajudou no que foi possível. A gente estendeu o feriado para que o novo plano de segurança pudesse ser instalado com maior conforto. A gente acha que o ajuste fino da operação que a gente planejou funcionou até agora. O que pude reparar no primeiro fechamento parcial das ruas do entorno do Maracanã, entre elas a Eurico Rabelo, onde ocorreu a concentração dos chilenos está funcionando superbem. A Polícia Militar posicionada, postos de informação da Prefeitura já funcionando. Então a gente espera que seja mais um espetáculo o jogo entre Equador e França”, disse em entrevista à Agência Brasil.

Você pode gostar