Por diana.dantas

São Paulo - Mais brasileiros pretendem dar presentes neste Natal, mas a representatividade dos que querem gastar um valor menor mais do que dobrou em relação ao ano passado, conforme pesquisa divulgada nesta terça-feira pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Segundo o levantamento, 87 % consumidores entrevistados têm a intenção de adquirir pelo menos um presente neste ano, aumento de 20 pontos percentuais sobre 2013.

Porém, quando questionados acerca da intenção de elevar o gasto nas compras natalinas, 33% disseram que pretendem gastar menos, ante percentual de 13% no ano passado. Outros 40% querem gastar o mesmo valor de 2013, enquanto 27% pretendem gastar mais.

"O consumidor quer presentear, mas sabe que o momento é de cautela e os gastos devem ser mais bem pensados", disse em nota a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, citando um possível receio dos consumidores diante da piora na geração de empregos, menor crescimento econômico e do rendimento dos trabalhadores.

Neste ano, as roupas aparecem no primeiro lugar na lista de preferência dos consumidores, apontadas por 77% dos entrevistados, seguidas por calçados (50 por cento) e perfumes/cosméticos (45%).

Segundo o SPC Brasil, na comparação com o ano passado houve crescimento do interesse em calçados e perfumes/cosméticos, categorias que foram indicadas em 2013 por 38% e 33% dos consumidores, respectivamente. Para smartphones, também houve um salto expressivo de 12 para 20%, completou a entidade.

VIÉS DOS LOJISTAS

Em pesquisa divulgada também nesta terça-feira, a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo (FCDLESP) apontou que os varejistas paulistas estimam alta de 3% nas vendas de Natal na comparação com o ano passado, abaixo da previsão de 7% feita para o período em 2013.

O presidente da FCDLESP, Mauricio Stainoff, afirmou ser possível observar que as compras dos comerciantes para abastecerem seus estoques de final de ano foram menores no ano a ano, em um ambiente de cautela devido à situação econômica do país.

Você pode gostar