Por bruno.dutra

O emprego na indústria brasileira avançou 0,4% em dezembro e interrompeu oito meses seguidos de queda, mas ainda assim o total de pessoal ocupado assalariado no setor fechou 2014 com queda acumulada de 3,2%, pior resultado em cinco anos.

O ano passado foi o terceiro seguido em que o número de pessoal ocupado na indústria acumulou queda anual, desta vez o pior recuo desde os 5% vistos em 2009, pico da crise mundial.

Na comparação com dezembro de 2013, o emprego na indústria recuou 4,0%, 39º resultado negativo consecutivo, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira.

O número de trabalhadores mostrou redução nos 14 locais pesquisados na comparação com dezembro de 2013, sendo o principal impacto negativo São Paulo, com 4,7%.

"Claramente o que se vê é um ajuste das empresas à realidade do mercado e da demanda no país. Ao longo dos últimos anos o que se vê é uma produção industrial oscilante e isso afeta a geração de empregos no setor industrial", disse o economista do IBGE André Macedo.

"Nesses anos tivemos mais automatização e mecanização, e isso também contribuiu", completou ele.

Em relação ao número de horas pagas, estas recuaram 0,1% sobre novembro, oitava queda seguida, e acumularam no ano passado queda de 3,9%, também o resultado mais fraco desde 2009 (-5,3%)

Na comparação com dezembro de 2013 o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria caiu 5,3%, 19º taxa negativa.

A produção industrial brasileira fechou 2014 com queda de 3,2%, o pior resultado em cinco anos e com forte debilidade dos investimentos.

Você pode gostar