Dinheiro de propina ia para partidos políticos, afirma Youssef

O doleiro disse, em depoimento dado em acordo de delação premiada, que o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu era um dos destinatários do dinheiro pago por empreiteiras para a estatal

Por O Dia

São Paulo - O doleiro Alberto Youssef, acusado de ser um dos operadores do suposto esquema de corrupção instalado na Petrobras, disse em depoimento dado em outubro do ano passado e divulgado nesta quinta-feira que o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu era um dos destinatários de propina paga por empreiteiras por obras na estatal.

No depoimento, Youssef afirma que Julio Camargo era o operador de um esquema de corrupção na diretoria de Serviços da Petrobras, então comandada por Renato Duque, e que ajudava Camargo com suas contas no exterior a distribuir o dinheiro da propina arrecadado junto à empreiteira Camargo Correa e à Mitsui Tokyo.

Parte do dinheiro, distribuído entre 2005 e 2012, de acordo com o depoimento de Youssef, era destinado ao PT e as pessoas indicadas para recebê-lo era Dirceu, que cumpre pena por seu envolvimento no esquema do mensalão, e o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

Youssef, que fez acordo de delação premiada com a Justiça em troca de redução de pena, também afirmou em outro depoimento que Camargo, um dos 39 réus em processos ligados à operação Lava Jato na Justiça Federal, tinha relações com Dirceu e com o ex-ministro Antonio Palocci, titular da Fazenda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da Casa Civil no primeiro mandato de Dilma Rousseff.

Segundo o doleiro, Camargo é dono de um avião que foi usado "em diversas oportunidades" por Dirceu.

O PT tem negado o recebimento de propina de empreiteiras que têm contrato com a Petrobras e reafirmado que todas as doações que recebe são legais e declaradas à Justiça Eleitoral. Na quarta-feira, o presidente do partido, Rui Falcão, disse que o PT vai processar todos aqueles que acusarem o partido sem provas e criticou a Polícia Federal por ter conduzido Vaccari à força para prestar depoimento.

O advogado de Vaccari, Luiz Flávio Borges D'Urso, disse na ocasião em que seu cliente foi conduzido para depoimento que o PT não tem caixa dois e que o tesoureiro está à disposição das autoridades.

A defesa de Duque, que chegou a ser preso na Lava Jato mas foi posteriormente solto, já havia negado que o ex-diretor tenha cometido qualquer ilícito na Petrobras.

Em nota, Dirceu disse nesta quinta-feira que "repudia, com veemência" as declarações de Youssef, classificadas por ele de "mentirosas".

"O ex-ministro também afirma que nunca representou o PT em negociações com Julio Camargo ou com qualquer outra construtora", acrescenta a nota, que diz também que a delação de Youssef "não apresenta provas".

Executivo da empreiteira Toyo Setal, Julio Camargo está em processo de delação premiada com a Justiça.

Últimas de _legado_Notícia