Petrobras vai priorizar redução de endividamento, diz diretor

Em novo plano de negócios, estatal também promete fazer um processo de desalavancagem, para maior eficiência operacional. Empresa estuda opções de desinvestimento na BR Distribuidora

Por O Dia

São Paulo/Rio de Janeiro - A redução do endividamento da Petrobras será prioridade no novo plano de investimento da empresa, a ser divulgado nos próximos 30 dias, disse nesta quinta-feira o diretor financeiro da estatal Ivan Monteiro.

"O grau de alavancagem da companhia é elevado... é desejável e será feito um processo de busca de desalavancagem, com maior eficiência operacional, redução do capex, aumento dos desinvestimentos, priorização em projetos de maior retorno...", afirmou Monteiro, em teleconferência para comentar os resultados de 2014.

A Petrobras encerrou dezembro com endividamento bruto de R$ 351 bilhões, alta de 31% sobre o fim de 2013. A relação entre dívida líquida e Ebitda, um indicador de alavancagem da companhia, subiu para 4,77 vezes, ante 3,52 vezes um ano antes.

O alto grau de alavancagem foi um dos temas mais criticados por analistas após a divulgação dos dados, na noite de quarta-feira.

Segundo o Itaú BBA, presumindo preços de diesel e gasolina estáveis até o encerramento de 2016 e um dólar a R$ 3,4, a alavancagem da Petrobras pode atingir 6,1 vezes até o fim do próximo ano.

Monteiro admitiu, ao comentar o prejuízo de R$ 21,6 bilhões do ano passado, após contabilização de perdas de R$ 6,2 bilhões por corrupção e redução de mais de R$ 44 bilhões o valor de seus ativos, que a dívida da estatal está acima das principais companhias de petróleo, mas ressaltou que essas petroleiras não tiveram a "mesma possibilidade de investimento que se vislumbrou para a Petrobras", como os campos do pré-sal.

O executivo não deu mais detalhes durante a teleconferência sobre como será feita a desalavancagem ou outras métricas do plano.

INVESTIMENTOS

A Petrobras vai reduzir seus investimentos anuais de forma gradativa até 2016, segundo diretrizes relatadas na véspera.

A previsão da companhia é investir US$ 29 bilhões neste ano e US$ 25 bilhões em 2016, enquanto o investimento em 2014 somou US$ 35 bilhões.

Os executivos da estatal explicaram ainda que a redução de investimento não poderia ser maior porque a empresa vem de um histórico de volumes investidos bastante expressivos, acordados anteriormente.

O plano atual, para o período 2014-2018, prevê investimentos de US$ 220,6 bilhões de dólares, o maior da indústria. O novo programa deve envolver o período de 2015 a 2019.

DIVIDENDOS

A Petrobras pagará dividendos e juros sobre capital próprio referentes a 2015 se tiver resultados positivos neste ano, "como faz normalmente", afirmou o diretor financeiro da petroleira ao responder pergunta durante a teleconferência.

Por conta do prejuízo bilionário, a companhia anunciou que não pagará dividendos referentes a 2014.

No centro das investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, a empresa disse na véspera que não pagará dividendos para preservar caixa, mesmo tendo mais de US$ 100 bilhões de reais em reservas de lucros no fim de dezembro.

Petrobras estuda opções de desinvestimento na BR Distribuidora

A Petrobras está estudando opções de desinvestimento da sua subsidiária BR Distribuidora, mas quando isso será definido e se ela terá realmente parte do seu capital vendido ainda está em avaliação pela companhia.

"A BR Distribuidora é um ativo maravilhoso da companhia e a gente está nesse processo de modelagem, a gente não tem nenhuma definição ainda do que levará esse processo no final", afirmou o diretor financeiro da Petrobras, Ivan Monteiro, nesta quinta-feira, em entrevista à Reuters.

Questionado sobre a possibilidade de a BR Distribuidora passar por um processo de IPO (do inglês, oferta pública inicial), o executivo respondeu que, na sua opinião, de forma geral, "processos públicos são muito bem-vindos, por sua transparência e competitividade".

Mas ele não quis adiantar se será uma das opções estudadas para a subsidiária de distribuição de combustíveis da Petrobras.

"O IPO é um processo público de precificação, isso sempre nos atrai bastante", afirmou.

A Petrobras tem um plano de desinvestimento de pouco mais de 13 bilhões de dólares para 2015 e 2016, visando a redução da alavancagem, preservação do caixa e concentração nos investimentos prioritários.

De acordo com o executivo, há uma carteira bastante dinâmica de ativos que podem sofrer desinvestimentos. "A modelagem pode indicar uma ou outra solução", afirmou.

INFLUÊNCIA DO GOVERNO

Monteiro também evitou explicar como será a política de preços de combustíveis adotada pela nova diretoria e se ela sofrerá ajustes em relação ao que vinha ocorrendo nos últimos anos, em que a empresa evitou repassar a volatilidade dos mercados futuros globais de petróleo.

De acordo com ele, o próximo plano de negócios terá como premissa a adoção de preços competitivos e de mercado.

Questionado sobre qual será o grau de influência do governo na tomada de decisões da empresa, Monteiro ressaltou que o governo é o acionista controlador, mas que a visão da petroleira é empresarial.

"Cabe à diretoria executiva prestar contas de suas metas, sua performance, no Conselho de Administração, onde estão lá representantes do acionista majoritário e demais acionistas", afirmou o executivo, que preferiu não responder perguntas que não fossem diretamente relacionadas com a sua área, inclusive sobre as relações da empresa com o governo.

OPÇÕES DE FINANCIAMENTOS

Monteiro frisou que as necessidades de financiamento no mercado para 2015 já foram atendidas e, para o próximo ano, podem ser consideradas outras opções da captações de recursos não buscadas nos últimos anos, caso sejam atrativas.

De acordo com ele, há 15 anos que a companhia não visita mercado de renda fixa no Brasil. Ele revelou também "muito interesse" em estudar opções de debêntures de infraestrutura.

"Há 15 anos não existiam debêntures de infraestrtutura como existe hoje. A Petrobras tem a possibilidade de acessar esse mercado e a gente vai estudar isso", afirmou.

Outra opção, de acordo com Monteiro, seria estudar créditos vinculados a exportações, nos mercados canadense, italiano, inglês, norueguês e japonês.

A Petrobras anunciou neste mês uma operação de financiamento por meio de venda e posterior arrendamento de plataformas, com opção de recompra.

Segundo Monteiro, essa é uma operação que está de acordo com as premissas da companhia e que pode ser repetida.

Ele descartou, no entanto, qualquer possibilidade de capitalização da companhia, reiterando posição comentada mais cedo, em teleconferência com analistas para comentar os resultados financeiros do ano passado.

PAGAMENTO DE DIVIDENDOS E PLR

Alguns analistas de mercado questionaram a decisão da companhia de não pagar dividendos, diante do prejuízo bilionário de 2014, enquanto os funcionários receberão participação nos lucros e resultados.

Mas Monteiro explicou que o acordo coletivo prevê que, caso os funcionários cumpram determinados itens, como lucro bruto, refino e produção, devem receber participações.

"Dado que existe um acordo e ele está em vigor, a companhia vai pagar a participação que é devida aos seus funcionários, porque eles cumpriram as metas acordadas com a companhia e está previsto no acordo coletivo da categoria", afirmou.

Apesar da crise que atingiu a Petrobras em 2014, por conta do escândalo de corrupção, que resultou em perdas de mais de 6 bilhões de reais, a companhia ampliou a produção de petróleo no ano passado em mais de 5 por cento, superando petroleiras listadas, como a ExxonMobil.

Últimas de _legado_Notícia