PF investigará FHC sobre dinheiro enviado para ex-amante no exterior

Jornalista afirma que ex-presidente usou uma empresa para bancá-la durante vários anos

Por O Dia

Rio de Janeiro - O Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo informou, nesta sexta-feira, que a Polícia Federal vai investigar o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso sobre o dinheiro enviado para a jornalista Miriam Dutra durante os anos de 2002 e 2006. O objetivo da investigação é saber se FHC cometeu algum crime federal ao mandar as quantias à sua ex-amante, que mora no exterior, através da empresa Brasif Importação e Exportação.

Cardozo comentou a decisão na manhã de hoje, quando visitou o Centro de Comando instalado na HSBC Arena, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Ele também verificou as medidas de segurança adotadas para a entrada de pessoas no Parque Aquático Maria Lenk, no mesmo bairro, para a realização dos Jogos Olímpicos. De acordo com o ministro, uma equipe do ministério fará um estudo "técnico e jurídico" para avaliar a conduta do ex-presidente.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e a jornalista Mirian DutraReprodução

Para o ministro, 'havendo indícios de delitos puníveis de competência federal', seguramente a Polícia Federal fará investigação através de inquérito. "Isso não vale apenas para o presidente Fernando Henrique. Vale para todos os brasileiros. É impessoal", afirmou Cardozo. Em nota à imprensa divulgada nesta quinta-feira, FHC admitiu ter enviado dinheiro para a ex-amante, mas negou ter usado a Brasif para este fim.

Segundo denúncia da jornalista, FHC lhe mandou dinheiro com ajuda da empresa, concessionária à época das lojas duty free nos aeroportos brasileiros. Miram e Fernando Henrique tiveram um relacionamento extraconjugal entre 1985 e 1991. 

Conforme reportagem publicada pelo jornal Folha de São Paulo também nesta quinta, a ex-funcionária da TV Globo teria firmado contrato fictício com a Brasif para receber dinheiro de Fernando Henrique no exterior.

Últimas de Brasil