André Gerdau Johannpeter é alvo de condução coercitiva na Zelotes, diz PF

Jorge Gerdau, dono do grupo, também foi detido para prestar depoimento

Por O Dia

Brasília - A Polícia Federal, em nova fase da operação Zelotes, cumpre nesta quinta-feira mandado de "condução coercitiva" contra o presidente-executivo do grupo siderúrgico Gerdau, André Gerdau Johannpeter, informou a PF, além do empresário Jorge Gerdau, dono do grupo.

A operação investiga fraudes em julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Mais cedo, a PF informou que cumpria 18 mandatos de busca e apreensão e 22 mandados de condução coercitiva em Brasília, Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro e Recife.

LEIA MAIS: PF deflagra nova fase da Operação Zelotes; dono da Gerdau é conduzido para depor

André Gerdau Johannpeter%2C presidente-executivo do grupo siderúrgico GerdauDivulgação

Procurada, a assessoria de imprensa da Gerdau afirmou que "a Polícia Federal está, em suas dependências em relação à Operação Zelotes". A empresa informou que até o momento "não tem mais informações, mas está colaborando integralmente com as investigações da PF".

O comunicado ressalta ainda "que, com base em seus preceitos éticos, a Gerdau não concedeu qualquer autorização para que seu nome fosse utilizado em pretensas negociações ilegais, repelindo veementemente qualquer atitude que possa ter ocorrido com esse fim. A Gerdau reitera, portanto, que possui rigorosos padrões éticos na condução de seus pleitos junto aos órgãos públicos e reafirma que está, como sempre esteve, à disposição das autoridades competentes para prestar os esclarecimentos que vierem a ser solicitados", finalizou.

A Zelotes foi deflagrada em março de 2015 para desarticular esquema de compra de decisões no Carf por grandes empresas. No curso das investigações, a força-tarefa do Ministério Público Federal, Receita Federal e Polícia Federal descobriu que os mesmos operadores também atuaram em suposto esquema de compra de medidas provisórias editadas nos governos dos presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, o que ampliou as investigações e levou a prisão dos lobistas em outubro do ano passado.

Por causa das prisões, a investigação sobre a suposta compra de MPs avançou mais rapidamente e o MPF já apresentou denúncia. O caso esta em fase de oitiva de testemunhas na Justiça Federal do DF. Há ainda outros dois desdobramentos da Zelotes em curso. Um deles, apura pagamento à LFT Marketing Esportivo, empresa de Luís Claudio Lula da Silva, filho mais novo do ex-presidente Lula, pela Marcondes e Mautoni, por uma das consultorias acusadas de envolvimento na compra de decisões no Carf e de normas. Ele recebeu R$ 2,5 milhões da empresa, segundo a PF, para copiar e colar informações da internet. Luís Claudio diz que fez consultoria de marketing esportivo. Outra investigação é sobre suposto lobby da Marcondes para a compra de caças pelo governo Dilma.

Com informações das Agências Reuters e Estado

Últimas de Brasil