Oposição pretende convocar Cardozo para explicar delação de Delcídio

A proposta veio do líder do PPS, Rubens Bueno (PR), que deve apresentar o requerimento ainda nesta quinta

Por lucas.cardoso

Brasília - A oposição na Câmara sugeriu na manhã desta quinta-feira, convocar o ministro da Advocacia Geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo, para explicar o conteúdo da delação premiada do ex-líder do governo Delcídio do Amaral. A proposta veio do líder do PPS, Rubens Bueno (PR), que deve apresentar o requerimento ainda nesta quinta para que o ministro venha ao plenário principal da Casa.

O vazamento da delação premiada do senador tumultuou a sessão matutina da Câmara. Oposicionistas defenderam a renúncia da presidente Dilma Rousseff e reiteraram a disposição de trabalhar pelo impeachment da petista e pela ação que tramita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pode cassar a chapa presidencial. "O que é que sustenta mais esse governo? O País está à deriva", indagou Bueno, numa referência à crise econômica. "Ela não pode continuar como se nada tivesse acontecendo", insistiu o líder.

Além da convocação de Cardozo, o deputado sugeriu que o desembargador Marcelo Navarro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), também venha à Casa, seja via convite ou convocação, para dar sua versão dos fatos denunciados por Delcídio. Segundo a revista IstoÉ, Delcídio teria acusado a presidente Dilma de atuar para interferir na Operação Lava Jato por meio do Judiciário. Uma das investidas passava pela nomeação de Navarro ao STJ.

Um dos vice-líderes do governo na Câmara, Silvio Costa (PSC-PE), disse que Cardozo não negaria comparecer ao parlamento. "Não precisa nem convocar. Se existe alguém sério neste País é o ministro", respondeu.

Prisão

Além dos ataques à presidente Dilma, a oposição concluiu que a gravidade da delação atinge diretamente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Não tem outro caminho para ele (Lula) a não ser a prisão", pregou Bueno. O ex-presidente também teria sido citado na delação de Delcídio.

Os governistas fizeram discursos no plenário chamando o conteúdo da delação de "mentiroso" e acusando a oposição de praticar "selvageria" política e de ter "ética seletiva". "Vamos parar com as acusações rasteiras", apelou o vice-líder do PT, deputado Wadih Damous (RJ).

"Essa oposição não tem qualificação ética e moral para agredir ninguém", declarou Silvio Costa. O vice-líder do governo disse duvidar que Dilma tenha participado de "negociata". "Duvido que a presidente Dilma, uma mulher que aguentou tortura física, tenha conversado com Delcídio algum assunto não republicano", afirmou.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia